Governo vai levar startup para Nova Iorque, Barcelona e Colômbia


Image by cocoparisienne from Pixabay

O governo selecionou as cidades de Barcelona, na Espanha, Nova Iorque, nos Estados Unidos, e Bogotá, na Colômbia, como destinos com potencial para imersão de startups brasileiras em 2020. A escolha das localidades se deu com base na análise da abertura que esses polos têm para negócios estrangeiros, seu incentivo à inovação, bem como a possibilidade de conquistar clientes, parceiros e investidores.

StartOut Brasil, programa de internacionalização de startups realizado pelo governo federal, promove anualmente ciclos de imersão para apoiar a inserção de soluções brasileiras nos mais promissores ecossistemas de inovação do mundo. A primeira imersão das startups selecionadas será em Nova Iorque e as inscrições já se encerraram.

O segundo ciclo do ano ocorrerá em Bogotá; e a última imersão será em Barcelona. Para participar, as empresas precisam atender três condições: já ter faturamento ou algum tipo de investimento; contar com uma equipe 100% dedicada ao negócio; e preencher o formulário de inscrição – em inglês –, com dados específicos sobre a solução e o mercado-alvo.

Serão selecionadas até 20 startups por ciclo. As escolhidas receberão consultoria especializada em internacionalização, mentoria com especialistas no mercado de destino e treinamento de pitch (discurso de apresentação de negócios) para se prepararem para a missão.

Programa

No local de imersão, terão uma agenda voltada à prospecção de clientes e investidores e à conexão a ambientes de inovação, com visitas a aceleradoras, incubadoras e empresas locais; seminário de oportunidades; rodada de reuniões com prestadores de serviços; encontros de negócios, e Demo Day (dia da apresentação da empresa para investidores).

Após esse período de imersão, as  organizações responsáveis pelo programa continuam ajudando e monitorando as startups participantes durante os 18 meses seguintes à viagem. Assim, os StartOuters não ficam desamparados durante o processo de definição da sua estratégia de internacionalização e soft landing (retorno) no mercado-alvo.(Com assessoria de imprensa)

Anterior CPQD planeja expansão internacional e atendimento a ISPs
Próximos Possível extinção de fundos setoriais acende alerta no CPQD