Governo rebatiza programa de banda larga para escolas


A agora chamada Política de Inovação Educação Conectada deve receber R$ 271 milhões em 2018. Promessa é melhorar ou implantar infraestrutura em 22 mil escolas. Capacidade do SGDC será utilizada.

Ministro_anuncia_programas_para_ampliar_acesso_a_banda_larga__em_escolas_hospitais_e_postos_de_saude_de_todo_o_Brasil

O governo federal relançou ontem, 23, em evento em Brasília o programa de conectividade banda larga em escolar públicas de todo o país. Chamado Minha Escola Mais Inteligente durante o segundo governo de Dilma Rousseff, o programa foi agora rebatizado para Política de Inovação Educação Conectada, e prevê a entrega de banda larga em estabelecimentos públicos de ensino municipais, estauduais e federais, no campo e na cidade.

Como antes, a política é uma parceria entre os ministérios da Educação (MEC) e da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Outros órgãos no interior do país também continuarão a ser conectados pelo programa Gesac e pela RNP. O governo Temer não definiu, no entanto, qual será a velocidade da banda larga entregue em cada ponto. A promessa da então presidente Dilma, e que não se concretizou, era alcançar 78 Mbps. À época, a média nacional era de 2 Mbps.

Segundo o MEC, a etapa inicial do programa receberá R$ 271 milhões em 2018 e deve atender a 22 mil escolas. Desse total, R$ 255,5 milhões serão aplicados na melhoria da infraestrutura e conexão das escolas, o que inclui a ampliação da rede terrestre de banda larga, serviços de conectividade, infraestrutura de WiFi, compra de dispositivos e uso de capacidade do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações (SGDC).

Cerca de R$ 15,5 milhões serão destinados ao financiamento da formação de articuladores locais, construção de plataforma para cursos online e produção de conteúdos específicos. A previsão do Ministério da Educação é que até 2024 todas as escolas do país recebam conexão banda larga. Há 12,8 milhões de alunos nessas escolas, o que correspondente a 40% do total de matriculados nos ensinos fundamental e médio.

Órgão públicos

O MCTIC espera conectar ainda 18 mil estabelecimentos públicos, entre os quais, postos de saúde e hospitais, com o SGDC. “O SGDC possibilitou que pudéssemos, a partir de agora, chegar a 40 mil localidades do Brasil que não contam com conectividade. Começamos um roteiro por todo o país convocando prefeitos para discutir esses pontos em cada município. E vamos, em um breve espaço de tempo, levar conectividade a todos os municípios. Esse é um convênio que terá custo zero para as prefeituras, mas um ganho enorme para a população”, disse, durante o evento, o ministro de C&TIC Gilberto Kassab. (Com Agência Brasil)

Anterior Marco Schroeder renuncia à presidência da Oi
Próximos Fundo de pensão da Oi corre risco?