Governo quer criptografia nacional para enfrentar ataques cibernéticos


Objetivo faz parte da Estratégia Nacional de Segurança Cibernética, publicada nesta quinta-feira. Para o presidente da Anatel, Leonardo de Morais, o decreto é muito bem-vindo. Para ele, a estratégia aponta a relevância das agências reguladoras para a adoção de procedimentos de segurança cibernética pelos entes regulados.

Negócio fotografia desenhado por Onlyyouqj - Freepik.co
Fotografia desenhado por Onlyyouqj – Freepik.co

O governo publicou, nesta quinta-feira, 6, a Estratégia Nacional de Segurança Cibernética (E-Ciber) com o objetivo de se tornar um país de excelência nessa área. No entendimento do governo, a crescente conectividade dos cidadãos traz ameaças, ao ponto de o Brasil investir, por ano, US$ 2 bilhões com a venda de softwares, hardwares e serviços na área de segurança de TI.

Apesar dos investimentos, apenas 11% dos órgãos federais têm bom nível em governança de TI, segundo levantamento da Organização das Nações Unidas (ONU). Outros dados analisados para a construção da E-Ciber mostram que em 2017, os crimes cibernéticos resultaram em US$ 22,5 bilhões de prejuízo no mundo e o Brasil é o 2º com maior prejuízo com ataques cibernéticos.

Outra preocupação do governo é com relação a ampliação do uso da Internet das Coisas. De acordo com estimativa do portal statista.com, haverá mais de trinta bilhões de dispositivos de internet das coisas (IoT, do inglês Internet of Things) conectados em 2020.

Diante desse quadro, a estratégia perseguirá os seguintes objetivos de tornar o Brasil mais próspero e confiável no ambiente digital; aumentar a resiliência brasileira às ameaças cibernéticas; e fortalecer a atuação brasileira em segurança cibernética no cenário internacional.

Para atender esses objetivos, foram desenhadas 10 ações, que vão desde a realização der fóruns de governança, de adotar, na indústria, padrões internacionais no desenvolvimento de novos produtos desde sua concepção (privacy/security by design and default); de recomendar a adoção de soluções nacionais de criptografia, observada, para tanto, a legislação específica; – intensificar o combate à pirataria de software, até incentivar a concepção de soluções inovadoras em segurança cibernética nos programas de incentivos a P&D.

Anterior Mercado brasileiro de telecom deve crescer 0,7% em 2020, prevê IDC
Próximos Oi confirma contratação de mais um assessor financeiro