Governo quer atrair quinto investidor para leilão de 700 MHz e vai fazer road show


Segundo Paulo Bernardo, a expectativa do governo é de arrecadar entre R$ 7,5 a R$ 8 bilhões com a licitação. O ministério e a Anatel vão atrás de investidores nos Estados Unidos e Europa. Estudam também ir a Ásia.

O ministro Paulo Bernardo anunciou hoje, em audiência na Câmara dos Deputados, que o governo vai fazer um road show, em junho, juntamente com a Anatel, para buscar atrair novos investidores a participarem do leilão da faixa de 700 MHz de celular, que será vendida em agosto. “A presidenta Dilma Rousseff também acha que temos que fazer estas apresentações”, afirmou o ministro. Segundo ele, a expectativa do governo é de arrecadar entre R$ 7,5 a R$ 8 bilhões com a licitação. Mas ressaltou que a intenção de buscar atrair novo investidor parte da avaliação de que o mercado brasileiro comparta mais um competidor.
“No leilão da faixa de 2,5 GH, também de 4G, várias empresas novas se interessaram, mas podem ter desistido por causa das metas de cobertura da área rural brasileira. Neste leilão, não há meta de cobertura, o que pode se tornar bastante atraente para um novo entranhe”, avalia Paulo Bernardo. Segundo ele, a intenção do MiniCom e da Anatel é promover reuniões com investidores estrangeiros – operadores e bancos- nos Estados Unidos e Europa e ainda estão avaliando ir também para a Ásia. “As regras do leilão estão facilitando para a entrada de um novo competidor”afirmou o ministro.
A consulta pública do edital será publicada nesta sexta-feira, dia 2 de maio, juntamente com o regulamento que vai estabelecer as regras para evitar a interferência dos sinais de TV e do celular entre um e outro serviço. As emissoras de TV abertas terão que deixar um pedaço desta faixa, que hoje ocupam, para dar lugar ao serviço de banda larga móvel a ser vendido pelo governo.

 

Anterior Bernardo diz que teles móveis são “muito malas” por divulgarem preços mais altos do que praticam
Próximos Ministro admite que seis estádios da Copa podem ter problemas com os celulares