Governo prefere obrigações a arrecadação com faixa de 700 MHz


O ministro das Comunicações Paulo Bernardo, presente nesta terça-feira (4) à inauguração do novo data center da Telefônica/Vivo, disse que o valor arrecadado com as faixas de frequência de 700 MHz para banda larga móvel não necessariamente precisa ser alto, uma vez que a prioridade do governo são com obrigações das operadoras vencedoras. Em Brasília, na semana passada, o vice-presidente da Anatel, Jarbas Valente, estimou preço de até US$ 17 bilhões por estas frequências.

“Não estamos pensando apenas em arrecadar, mas em um conjunto de obrigações para as operadoras. É mais vantajoso para o governo e para os cidadãos colocar essas obrigações”, disse.

Bernardo preferiu não comentar quais seriam as obrigações ou qual o modelo da licitação. Segundo ele, todas as possibilidades estão em aberto, inclusive a de ser licitada a faixa apenas para uma empresa, que teria de compartilhar infraestrutura com as demais.

 

Anterior Fundo de capital de risco da Telefônica será em parceria com BNDES
Próximos Lenovo deve anunciar compra de empresa brasileira nesta quarta-feira