Governo desiste de por processos de radiodifusão nas mãos da Anatel


Gilberto Kassab, ministro das Comunicações, fala agora em aumentar a eficiência do MCTIC para lidar com as outorgas. Ele espera, ainda, que transmissões em 8K comecem em 2020 no país – antes da conclusão do switch off analógico.

foto-evento-SET
Kassab (segundo da esq. para a dir.) corta a fita inaugural da SET Expo, juntamente com Olímpio Franco, presidente da SET, e Jiro Akama, ministro japonês.

O governo interino de Michel Temer já não tenta ampliar as funções burocráticas da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Se em maio Gilberto Kassab dizia ser possível transferir para a agência a liberação de outorgas de radiodifusão, a posição agora é de que o melhor é deixar tudo como está.

“Os processos de radiodifusão não serão passados para a Anatel no primeiro momento. Queremos encontrar uma maneira de trazer mais eficiência para dentro do ministério. No segundo momento se avaliará se continua lá [no ministério], ou se vai para a Anatel”, disse o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

Kassab abriu hoje, 30, a feira SET Expo, que acontece ao longo desta semana em São Paulo. No evento, ele se encontrou com representantes do Japão, país que desenvolveu o padrão de TV digital usado no Brasil (ISBD) e em outros 13 países mundo afora. Ele disse ter chegado a um acordo com o ministro das comunicações do país asiático, Jiro Akama, para tentar convencer a Colômbia a adotar a tecnologia do ISDB.

“Ambos os países vão procurar identificar, na relação com a Colômbia, se existe ainda alguma maneira de fazer essa conversão. Não é fácil, pois eles já tinham escolhido o sistema europeu”, reconhece. Além do vizinho sul-americano, Kassab diz que Brasil e Japão trabalham para atrair mais alguns países da África e da Ásia para o padrão, que se mantém em evolução – mas não define quais.

Na Set Expo, as fabricantes de equipamentos mostram produtos para gravação e transmissão em 4K e 8K. O padrão é defendido pela emissora japonesa NHK, que já realiza testes, inclusive no Brasil. O mais recente aconteceu no Rio de Janeiro, durante os Jogos Olímpicos Rio 2016, e outros ocorreram durante a Copa de 2014. Também a Rede Globo testou o broadcast em 8K, exibindo partidas com a resolução no Museu do Amanhã.

Kassab afirma que, embora atrás dos japoneses, o Brasil deve partir para o padrão 8K em breve. “Nós temos nosso timing e cronograma para 4K e 8K. Esperamos que em 2020 tenhamos os primeiros passos consistentes para levar aos usuários daqui o sistema 8K”, assinalou. Até lá, há o árduo caminho do switch off da TV analógica que, garante o político, não será alterado. “O cenário político e econômico não colocará em cheque o cronograma. [Mantém-se o desligamento do sinal analógico] em 2018 na primeira etapa, e 2023 na segunda etapa”, diz.

Anterior Regulador europeu está vigilante com mudanças na privacidade do WhatsApp
Próximos Reguladores europeus condenam o zero-rating