Governo dá a largada para a construção do satélite militar


Os ministérios do Planejamento (MPOG) e da Ciência e Tecnologia (MCT) assinaram termo de cooperação para contratar os estudos de modelagem do satélite geoestacionário brasileiro, sob a forma de Parcerias Público-Privadas (PPPs). O objetivo do satélite é o fornecimento de serviços de telecomunicações de governo, comunicações militares seguras e de informações sobre meteorologia e controle …

Os ministérios do Planejamento (MPOG) e da Ciência e Tecnologia (MCT) assinaram termo de cooperação para contratar os estudos de modelagem do satélite geoestacionário brasileiro, sob a forma de Parcerias Público-Privadas (PPPs). O objetivo do satélite é o fornecimento de serviços de telecomunicações de governo, comunicações militares seguras e de informações sobre meteorologia e controle de tráfego aéreo. De acordo com o projeto, o satélite deverá ser desenvolvido com alto índice de participação da indústria nacional.

Os estudos para o desenvolvimento do projeto de parceria envolvem, além de uma análise do marco regulatório do setor, a apresentação de soluções para eventuais ajustes que necessitem ser feitos no Brasil. Outro item importante nos estudos de modelagem da PPP consiste nas alternativas de financiamento que garantam a atratividade e a viabilidade do projeto num horizonte de quinze anos.

De acordo com a Assessoria Econômica do Ministério do Planejamento, os estudos serão viabilizados com recursos do Fundo Multilateral de Investimentos (Fumin), do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Cada uma das partes desembolsará 50% dos recursos necessários.

A modelagem de um projeto envolve a parte técnica (estudos de demanda, engenharia, ambientais, etc.), a parte econômico-financeira (o financiamento do projeto, considerando os seus custos, juros, prazo, tarifas a serem cobradas, impostos, modelo de negócio, etc) e a parte jurídica (edital e contratos).

No Planejamento os trabalhos ficarão a cargo da Assessoria Econômica, órgão responsável pelo desenvolvimento das PPPs no governo federal. No MCT o projeto será desenvolvido pela Agência Espacial Brasileira (AEB/MCT).(Da redação, com assessoria de imprensa)

Anterior É melhor ficar explícito que o backhaul é reversível
Próximos CVM manda Telco fazer oferta pela TIM