Google quer colaboração com teles, mas não vai investir em rede


Em resposta às colocações de representantes da indústria móvel, que pediram isonomia de regras para a oferta dos mesmos serviços, Fabio Coelho, presidente da empresa no Brasil e VP da Google Inc., disse que é importante a colaboração entre OTTs e teles e outros players do ecossistema da mobilidade. “Temos que desenvolver uma cultura mais colaborativa”, citando como exemplo a parceria entre Google, Telebras e Telefônica para levar banda larga de alta velocidade a uma escola do Piauí, por meio de balões, que funcionam como canal de retorno para LTE. Informou ainda que sua empresa continua investindo nesse projeto dos balões – Projeto Loon – e que essa tecnologia poderá vir a ser uma ferramenta importante para a inclusão digital na América Latina, mercado considerado estratégico pelo Google. Fora essa tecnologia de infraestrutura, Coelho esclareceu que não é objetivo do Google investir em redes no Brasil, sejam elas de fibra ou MVNO

Também em resposta a um comentário sobre o grande número de empregos gerados pelas teles em relação aos poucos empregos dados pelas OTTs, Coelho insistiu em que é preciso se ter uma visão mais abrangente do ecossistema. Antes tinha dito que, para o Google, a inclusão digital engloba três vertentes: acesso, democratização de oportunidade de produzir e distribuir conteúdos e empreendedorismo digital. Segundo ele, o Google atua nas três vertentes e, embora gere 750 empregos diretos no Brasil, gera um volume muito grande de empregos indiretos. “No Brasil temos mais de 500 mil geradores de conteúdo”, esclareceu ele, afirmando que um dos papeis do Google é empoderar a sociedade.

Anterior Operadoras móveis querem as mesmas regras que valem para OTTs
Próximos Anatel quer saber se há interesse por novos códigos de seleção de prestadoras