Google Fiber fecha as portas em cidade onde microvalas foram expostas


O Google Fiber, braço de provimento de banda larga do Google, está fechando as portas na cidade de Lousiville, nos Estados Unidos. A empresa anunciou sua chegada ali em 2017, usando uma tecnologia de microvalas superficiais. Mas, meses depois, cidadãos e agentes públicos passaram a reclamar da exposição dos cabos de fibra óptica nas ruas da cidade. Os cabos eram colocados a poucos centímetros de profundidade e cobertos por um material sintético, que não se mostrou durável. A empresa tentou recobrir as valas com asfalto, mas também não funcionou.

Agora, diz que o reparo definitivo exigiria a recolocação de toda a rede, o que seria inviável. Por isso, prefere deixar a cidade. A rede será desligada definitivamente em 15 de abril. Nada mudará, porém, em outras 11 cidades onde a Google Fiber atender.

“Inovar significa aprender, e algumas vezes, infelizmente, aprendemos através de falhas. Em Lousville encontramos desafios que foram incômodos aos moradores e causaram falhas no serviços”, diz a empresa, em nota oficial. Segundo o Google, diante da incapacidade de entregar o serviço com “os altos padrões que definimos para nós mesmos”, foi preferível desistir da empreitada na cidade. A empresa garante, porém, que não desistiu das microvalas, e que obteve sucesso com métodos diferentes explorando o conceito nas cidades de Austin e Derby.

Anterior Leis do RJ sobre telecomunicações são contestadas no STF
Próximos Anatel lançará versão móvel de aplicativo para comparar preços e produtos