Globosat prepara lançamento de mais um canal VOD


A Globosat avança na oferta de conteúdo audiovisual para ser consumido sob demanda (VOD, na sigla em inglês) e em qualquer dispositivo eletrônico, inclusive nos móveis. O +BIS, versão sob demanda do canal linear BIS, chega ao mercado após mais de dois anos de negociações com gravadoras como Sony Music e Universal Music, com mais de 350 shows e cerca de 500 horas de programação, incluindo documentários musicais, informou a líder de projetos de inovação da Globosat, Andrea Thompson.

O produto que deve ser vendido a R$ 12,90 é o sétimo produto de VOD da Globosat, que se prepara para o lançamento do +Combate, que chega em breve ao mercado. 

A Globosat aposta no consumo de mídia em qualquer aparelho e em qualquer lugar porque esta já é uma realidade no país. O brasileiro já consome mídia em celulares, tablets e PCS, lembrou Thompson, mas o avanço deste mercado ainda esbarra na qualidade da internet móvel no país. “O Brasil é o quarto país no mercado latino-americano em termos de velocidade média da internet móvel. Mesmo em 2017, a projeção é que este valor esteja em 1,7 Mbps”, declarou durante o Tela Viva Móvel 2013, em São Paulo. 

O tempo de negociação da companhia com as gravadoras, dois anos, também ilustra bem outro desafio para a ampliação dos serviços de vídeo sob demanda no país: a definição de um modelo de remuneração para toda cadeia de TV paga que ainda viabilize o negócio na ponta. 

Apesar da Globosat poder lançar os canais sob demanda sem as empresas de TV à cabo, Thompson defendeu que é preciso incluir todos os elos da cadeia porque o modelo funciona há mais de vinte anos e tem uma vida longa pela frente, uma vez que a penetração do serviço de TV Paga no país ainda é muito baixo e tem muito a crescer. “Não teria porque sair, preferimos manter a cadeia”, declarou. Ainda, as operadoras de TV por assinatura ainda são responsáveis pelos sistemas de controle de clientes, CRM, e de cobrança, billing. 
 

 

Anterior Oi está homologando chip Magazine Luiza
Próximos Provedores locais criam consórcios para acesso ao REPNBL-Redes