Futurecom terá foco em conectividade, ruptura e transformação digitais


A Futurecom deste ano acontece entre 28 e 31 de outubro, no São Paulo Expo. Será a 21ª edição da feira, que foi reformulada. O congresso terá como temas principais conectividade, negócios disruptivos e transformação digital. 

Na questão da hiper-conectividade serão debatidas tecnologias como 5G, IoT, virtualização, satélites, broadband, wireless, Data Center, Edge Computing e Cloud; Tecnologias Disruptivas (Blockchain, Inteligência Artificial, Machine Learning, Bots, Computação Quântica, Digital Twins, Data Analytics e OTT); e Soluções de Transformação Digital nos segmentos de agronegócio, energia, varejo, saúde, finanças, segurança e mobilidade.

Além do congresso principal, serão realizados mais quatro diferentes fóruns simultaneamente. No Future Payment serão debatidas oportunidades no mercado de pagamentos. No Future Gov haverá conteúdo sobre as demandas tecnológicas da administração pública. No Future Jud será discutida a demanda do judiciário por inovação. Já o Future Tech abordará as tecnologias emergentes, como cloud, virtualização, IA, Blockchain. E o Future Cyber será centrado em segurança e privacidade.

Em 2018, a Futurecom registrou 29 mil visitantes e mais de 250 marcas expositoras. “Queremos superar este número em 2019, ampliando a discussão para temas cada vez mais relevantes na nova economia”, projetou o diretor do Futurecom. Entre as principais novidades da nova edição destaca-se a inclusão de cinco grandes eventos que englobam temas relevantes e darão nova tônica do Futurecom: Future Payment, Future Gov, Future Jud, Future Cyber e Future Tech. Com painéis e palestras, serão discutidas as tendências para acompanhar o Mundo 4.0.

Palestrantes

Para a edição deste ano o congresso terá 11 palestrantes principais, entre os quais Greg Peters, Chief Product Officer e líder da equipe responsável pelo design, criação e otimização da experiência da Netflix. 

Também estão confirmados Christian Gebara, CEO da Telefônica Brasil, proprietária da Vivo; José Félix, presidente da Claro Brasil; Mauro Fukuda, diretor de estratégia e arquitetura de rede da Oi; além de representantes de órgãos e autarquias dos governos federal, estadual e municipal como Advocacia-Geral da União, Instituto Nacional de Tecnologia da Informação, Ministério da Economia, Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, Prefeitura de São Paulo e Prefeitura de Bauru. Serão 47 painéis de debates, 100 palestras e 140 horas de conteúdo, envolvendo profissionais expoentes e executivos de empresas de todos os portes.

Anterior Fusão entre T-Mobile e Sprint é aprovada nos EUA
Próximos Para Eutelsat, uso da banda C Planejada libera 5G em 3,5 GHz

1 Comment

  1. Fernando Gonçalves
    28 de julho de 2019

    Fernando Gonçalves, 55, São Vicente SP.

    Usuário do ACESSA SP, programa (de inclusão digital ?) do governo do Estado de São Paulo, desde 2004, penso que o avanço tecnológico vislumbrado pelo FUTURECOM necessariamente precisa, desde já, do letramento, da alfabetização dos Cidadãos em programação.
    Ações de inclusão digital sem o ensino dessa nova linguagem, limitada a oferta de Hardwares, Softwares e Conectividade não atende aos interesses representados no FUTURECOM