O Fundo de Universalização (Fust) fechou 2014 com R$ 1,756 bilhão em caixa. Deste montante, R$ 1,056 bilhão veio diretamente as operadoras de telecomunicações, que precisam depositar 1% de seu faturamento líquido para o fundo. Os outros R$ 700 milhões vieram indiretamente também das operadoras de telecom, mas através do Fistel.

Conforme a lei do Fust, uma parte do dinheiro arrecadado com a venda de frequências deve compor os recursos para a universalização. Independente da fonte dos recursos desse fundo, ele nunca foi usado para a universalização dos serviços de telecomunicações, e acaba no caixa do Tesouro Nacional. Segundo a Anatel, desde que foi criado, em 2000, este fundo já arrecadou R$ 17,76 bilhões.