Furukawa vai juntar empresas de telecom


furukawa brasil diretoria broadband trade show 2015 telesintese
Da esquerda para a direita: Nelson Saito, Paulo Zafaneli, Hiroyuki Doi, Foad Shaikzadeh (CEO), Hélio Durigan e Celso Motizuqui, o comando da Furukawa no Brasil

O grupo japonês Furukawa está reestruturando suas empresas dedicadas ao mercado de telecomunicações. A partir de 2016, haverá uma união entre as três empresas do grupo, que atualmente trabalham com macas próprias conforme a área geográfica de atuação. Uma empresa, chamada Furukawa Electric, atende apenas o mercado da Ásia; outra, OFS, o conjunto formado por África, Estados Unidos, Europa e Oriente Médio; e outra, Furukawa Industrial, o Brasil e América Latina.

Essa nova companhia global terá o com foco em fabricação de fibra, equipamentos ópticos e soluções em telecomunicações. Será a One Furukawa, e seu gerente-geral ficará no Brasil, com a missão de mostrar resultados globalmente. O nome do executivo, porém, ainda não foi confirmado pela empresa. A união vai eliminar as diferentes marcas do grupo em telecom pelo mundo. Os produtos vendidos serão os pacotes de soluções de sistemas de cabeamento e de banda larga.

“A marca única será Furukawa. Ainda tem gente lá fora, por exemplo, que chama nossos cabos de OFS, que é um legado da aquisição da Lucent, 14 anos atrás”, conta Foad Shaikhzadeh, presidente e CEO da Furukawa no Brasil e vice-presidente corporativo do grupo. “Essas três unidades vão vender o mesmo produto, operar as mesmas soluções e sistema logístico. Como essas soluções se tornaram muito fortes na América Latina, grande base de logística vai ser colocada aqui. Mas já estamos pensando em bases na Tailândia, Indonésia, Marrocos e México”, completa. O executivo participa do Bradband Conference Trade Show, evento para ISPs realizado pela empresa, em Foz do Iguaço (PR)*.

Expansão
A Furukawa vai abrir, em 2016, uma fábrica no México e ampliar a capacidade produtiva das plantas na Argentina e na Colômbia. Este ano, aumentou a capacidade de produção para redes de acesso da unidade brasileira, em Curitiba (PR) do Brasil quatro vezes para produtos de rede de acesso. Por ano, são fabricados no mundo 250 milhões de quilômetros de fibra no mundo. A Furukawa diz ser responsável por 12% desse total. Apenas na América Latina, a empresa produz 2,3 milhões de quilômetros ao ano. A estimativa é que a região consuma cerca de 8 milhões de quilômetros de fibra, atualmente.

A expansão também tem como objetivo se preparar para uma demanda crescente por fibra. A Furukawa acredita que o advento de novas tecnologias, como a internet das coisas, o 5G, e avanços na medicina, segurança e smart cities, para citar alguns, vão impulsionar a demanda por capacidade de redes e, consequentemente, de fibra nos próximos cinco anos.

“Na América Latina são 2,7 milhões de usuários conectados via fibra, sendo que 1 milhão pertence ao Brasil.  Há portanto, um grande mercado a ser conquistado. A previsão que temos é de que até 2019 esses números atinjam 10,5 milhões de assinantes conectados para um total de 55 milhões de casas passadas (a fibra até a porta) na região. No Brasil, o volume atingirá o que hoje temos em toda a região: 2,7 milhões de assinantes conectados por fibra com 15 milhões de casas”, diz Nelson Saito, gerente geral de Engenharia de Sistemas Furukawa.

*O jornalista viajou a convite da Furukawa

Anterior Olimpíadas 2016: cloud entra em cena para aplicações essenciais
Próximos Telefónica e Huawei fecham acordo global de serviço em nuvem