Furukawa lança novo conceito para redes locais


Curitiba – Aplicações de redes passivas ópticas baseadas na tecnologia GEPON (Passive Optical Network), com a utilização de fibras monomodo em topologia ponto-multiponto, podem ser uma alternativa para as redes internas, com mais baixo custo de instalação e de manutenção. O novo conceito de rede, apresentado hoje pela Furukawa na sua conferência anual pode trazer reduções no Capex de até 54% e de até 70% no custo operacional (Opex), conforme assegurou Giovana Évi Labegani, engenheira de produto da Furukawa, em sua palestra sobre a Nova Geração de Redes LAN Enterprise. “Outra vantagem está na convergência, pois essa rede pode trafegar dados, imagem e voz, desde que seja uma rede IP”, acrescentou.

Voltada para empresas, a nova geração, chamada de PON LAN, foi testada no campus de uma universidade de Washington, EUA, em uma instituição financeira e também pela Intel, que adotou o novo conceito de rede local, baseado na centralização do ativo em um único ponto, a partir do qual se faz a distribuição por meio de um único cabo. “A transmissão é de até 1 Gbps e é possível conectar 64 usuários em uma mesma placa”, explicou Giovana. No caso da Intel, foram conectados 2.500 usuários, com redução de Capex de 65% em relação a uma rede convencional — constituída por um backbone multimodo, com distribuição horizontal por cabo metálico. Para ampliar o número de usuários, basta colocar mais placas no equipamento que fica na central, onde são instalados os ativos da rede. A engenheira explicou que a redução de investimentos é possível porque “elimina os ativos no meio do caminho”, como roteadores e equipamentos de borda, além de reduzir os gastos com energia, manutenção e operação, em razão da centralização dos ativos da rede em um único ponto.

Giovana destacou que a rede PON LAN é ideal construção ou modernização das redes locais corporativas internas FTTD (Fiber To The Desk) ou para a interligação de áreas externas (campus universitários, shopping centers, condomínios verticais e horizontais, aeroportos, complexos industriais, entre outros), mas não se aplica a data centers. “No data center a tendência é de opticalização”, afirmou.

Convenção

A convenção anual da Furukawa está sendo realizada em Foz do Iguaçu, no Paraná, e reúne executivos de 20 países da América do Sul, Península Ibérica e África, entre integradores, distribuidores e usuários. Em sua 9a edição, a conferência tem como slogan FTTC – Fiber To The Customer, ou a Fibra Óptica para o Cliente.

A Furukawa é o único player global do setor que fabrica produtos tanto para as redes internas, como para as redes externas, ofertando soluções totalmente metálicas ou totalmente ópticas, ou em mix de ambas as tecnologias. Embora lidere em cabos metálicos em vários países da região, inclusive no Brasil, a Furukawa tem incentivado a opticalização. A razão é basicamente o fato de que, para a fabricante, o futuro está na fibra, que oferece mais capacidade de transmissão, entre outras vantagens.

Para o mercado enterprise, foco das apresentações desta manhã no evento da Furukawa, a opticalização integral dos sistemas pode demorar um pouco mas é tida como certa. “Entre 30% a 40% do total das redes corporativas no Brasil já têm backbone óptico. Mas a distribuição da rede ainda é, basicamente, 100% com soluções de cabeamento metálico”, disse Foad Shaihkzadeh, presidente da Furuakawa. Na sua avaliação, para a fibra óptica substituir totalmente os cabos metálicos ainda vai demorar entre 15 e 20 anos. “Apesar de defendermos a bandeira da opticalização total pelas diversas vantagens que a fibra traz, sabemos que os mercados têm seus tempos de maturidade e que novas gerações de soluções metálicas  se manterão economicamente viáveis no médio e longo prazos”, reconhece.

A jornalista viaja a convite da Furukawa

 

Anterior CPqD oferece para download novas aplicações para TV digital interativa
Próximos Correios poderão usar suas lojas para prestar serviços de terceiros