Fundador da Huawei diz que Trump pode afugentar empresas dos EUA


O fundador da Huawei Ren Zhengfei concedeu uma entrevista exclusiva à emissora de TV norte-americana CBS na qual teceu elogios e críticas ao presidente do país, Donald Trump. Pai de Sabrina Meg, executiva presa no Canadá acusada de burlar embargos ao Irã, Zhengfei disse que os EUA estão perseguindo homens e mulheres de negócio, e que isso terá efeitos negativos sobre a imagem do país.

Segundo ele, Trump merece elogios por promover redução de impostos para empresas. “Trump é um grande presidente. Ele conseguiu cortar impostos em um período muito curto. Isso é difícil de fazer, especialmente em um país democrático. Todos os países democráticos ficam muito tempo em debates, com pessoas argumentando até que se chegue a um consenso”, disse Zhengfei.

Mas os benefícios que o corte de impostos pode trazer, como atrair empresas, podem ser revertidos caso os EUA insistam na perseguição, a seu ver, que estão promovendo contra países e empresas. “Se Trump continuar a intimidar outros países e empresas, e a prender pessoas aleatoriamente, vai afugentar investidores. Desse jeito, como vai compensar a receita perdida com a redução de impostos?”, falou.

Ele afirmou que está tranquilo quanto à prisão de sua filha no Canadá. Sabrina Meng atualmente está em prisão domiciliar à espera de julgamento de processo de extradição. Para o pai, ela não cometeu crime e será inocentada. Ele diz confiar na Justiça e que tudo será esclarecido. E diz que, enquanto o processo se desenrola, a filha faz cursos online.

Banimento da Huawei nos EUA

Zhengfei também falou sobre o banimento da Huawei de programas de compra estatal do governo dos EUA e pressões para que as operadoras locais não consumam equipamentos chineses. Segundo ele, isso fará pouca diferença nos resultados da companhia.

“Para ser sincero, a gente não teve muitos negócios nos EUA nos últimos anos, e mesmo assim nunca desistimos. Vamos continuar tentando [vender nos EUA] porque respeitamos o país. Mas se disserem que não podemos vender, então não tentaremos vender “, falou.

No entanto, ele negou que a Huawei seja ameaça à segurança das comunicações. “Alguns políticos norte-americanos dizem que somos ameaça. Mal temos equipamentos nos EUA, como somos ameaça? Se os EUA são seguros sem a Huawei, talvez eles devam convencer o mundo disso. Mas as redes dos EUA são mesmo seguras? A informação deles de fatos está segura? Se eles são incapazes de gerenciar a segurança sem a presença da Huawei, é errado pensar que eles conseguem garantir a segurança sem nos deixar entrar”, acrescentou. E refutou, mais uma vez, a existência de backdoors para o governo chinês em equipamentos da fabricante.

Pressões internacionais

O fundador da fabricante também diz que as pressões que os EUA estão fazendo para que países aliados deixem de comprar da Huawei terão efeito positivo para a companhia. “Eles estão promovendo a Huawei ao redor do mundo. Antes, ninguém nem sabia qual seria a utilidade do 5G. Agora, o mundo todo sabe de 5G e, quando vão estudar a fundo, descobrem que a Huawei faz o melhor 5G”, diz.

Segundo ele, isso se prova em números, que não revelou. “Isso [a pressão para banir a Huawei] amplificou nosso impacto. Estamos assinando mais contratos, não menos. E estamos obtendo mais contratos muito mais rápido, inclusive na Europa. Por isso eu agradeço por levarem nosso nome por aí, e de graça. Estou muito agradeço, por favor, dê a eles meus cumprimentos”, disse o executivo.

E afirma que, antes de qualquer país decidir por banir a Huawei, deveria analisar o histórico da empresa, que provê equipamentos para redes “que conectam 3 bilhões de pessoas em 170 países”. Ressalta que a Huawei tem 80 mil patentes, 11,5 mil das quais obtidas nos EUA. “Somos grandes contribuintes para o desenvolvimento informacional dos EUA, não uma ameaça”, acrescentou.

Anterior Anatel só deve aplicar sanções em caso grave ou reincidência, defendem teles
Próximos Bloqueio de celular irregular de 15 estados começa domingo