Fundação Padre Anchieta testa padrão europeu de rádio digital


A Anatel expediu autorização à Fundação Padre Anchieta, entidade mantenedora da TV e Rádio Cultura, para a realização de testes do Sistema de Radiodifusão Sonora Digital DRM – Digital Radio Mondiale, padrão desenvolvido na Europa. Os testes serão feitos na freqüência 26,040 MHz, com largura de faixa do sinal digital que será radiado entre 10 …

A Anatel expediu autorização à Fundação Padre Anchieta, entidade mantenedora da TV e Rádio Cultura, para a realização de testes do Sistema de Radiodifusão Sonora Digital DRM – Digital Radio Mondiale, padrão desenvolvido na Europa. Os testes serão feitos na freqüência 26,040 MHz, com largura de faixa do sinal digital que será radiado entre 10 kHz e 20 kHz, em São Paulo.

Os testes serão realizados por período de um ano, mas poderão ser ampliados por igual prazo, e visam subsidiar a escolha do padrão a ser adotado pelo país. Os experimentos serão suspensos caso fique constatada a ocorrência de interferências prejudiciais em estações de radiocomunicações regularmente autorizadas e instaladas.

No final do mês de março, portaria publicada pelo Ministério das Comunicações divulgou as orientações técnicas do que deve ter o modelo de rádio digital a ser implantado no Brasil. Um dos requisitos estabelecidos é que o padrão a ser adotado atenda simultaneamente aos sistemas AM e FM, evitando que o consumidor tenha de comprar diferentes aparelhos para cada sistema.

Segundo o Minicom, até o momento, os dois padrões testados – o DRM europeu e o IBOC americano – não atendem a todas as exigências técnicas. De acordo com os testes já realizados, os sistemas digitais existentes no mundo hoje não trazem uma qualidade muito superior a da apresentada pelas FMs (Frequência Modulada) analógicas.

O padrão europeu, o DRM (Digital Radio Mondiale), também tem a preferência do governo por ser um sistema aberto, o que abre a possibilidade de transferência de tecnologia.  padrão norte-americano, o IBOC (In-Band-On-Channel), já testado no Brasil, além de depender do pagamento de royalties para sua utilização, apresenta dificuldades nas transmissões em Ondas Médias e Curtas, onde há maior interesse do governo.(Da redação)

Anterior Marco Civil: provedor de internet só retira conteúdo após ordem judicial.
Próximos Para STJ, Brasil Telecom responde por ações contra a extinta CRT.