A fragilidade dos indicadores da qualidade no celular


shutterstock_Iaroslav-Neliubov_telefonia_movel_device_celular_smartphoneO Tribunal de Contas da União, em seu acórdão de hoje, 14,  determinou também 90 dias para que a Anatel desenvolva a revisão do modelo de gestão da qualidade do SMP (o que já está sendo pensado pela agência). Até porque o próprio TCU também constatou que há um volume excessivo de indicadores, e até mesmo sobreposição de atribuições entre os técnicos da agência.

O documento bate firme na EAQ (Entidade Aferidora de Qualidade), a menina dos olhos do ex-presidente da agência,  João Rezende, o programa que mede a qualidade da banda larga fixa e móvel no país. Para a banda larga móvel, afirma o TCU, os resultados não foram confiáveis. Segundo o TCU,

  • Foram constatadas diversas dificuldades operacionais por parte da EAQ em realizar as medições dos indicadores; empecilhos para localizar pontos físicos de teste; utilização de equipamentos de teste que apresentavam instabilidades na medição dos dados da rede; necessidade de mais amostras do que pontos de teste disponíveis na região; e distinção na produção do indicador devido a diferenças entre os períodos avaliados para alguns estados do país.
  • Conforme o o acórdão aprovado,”a EAQ obteve e divulgou, entre 2013 e 2015, índices sem garantia de validade estatística, que não representam a realidade e que não são comparáveis nem entre as diferentes operadoras no mesmo mês nem entre meses diferentes na mesma operadora”
Anterior TCU dá 90 dias para Anatel melhorar fiscalização de conta de celular
Próximos TCU pode mandar Anatel rever cláusula de edital?