Fórum marca novas reuniões para definir qualidade da banda larga


A Anatel, CGI.br (Comitê Gestor da Internet), operadoras e FNDC (Fórum Nacional para Democratização da Comunicação) vão debater os parâmetros mínimos do acesso à internet em banda larga, em função da falta de critérios claros para diferenciar o serviço. Em outra reunião, a Proteste, o SindiTelebrasil e a Telcomp vão debater a natureza do regime jurídico da prestação de serviço de dados, que hoje é regulamentado como de natureza privada, por meio de resolução da agência reguladora.

Esses foram os encaminhamentos da primeira plenária desta quarta-feira (25) do Fórum Brasil Conectado, que discutiu parâmetros de qualidade para a banda larga. O objetivo da reunião, além de discutir padrões a serem cumpridos em relação à taxa de transmissão, foi de estabelecer critérios relacionados à taxa de conexão e à taxa de queda. Outro ponto em debate foi a criação de aplicativo ou outro instrumento oficial para que o usuário possa verificar, com segurança e fidelidade, a taxa de transmissão que lhe é de fato disponibilizada.

O coordenador do debate, Artur Coimbra, da secretaria-executiva do CGPID (Comitê Gestor do Programa de Inclusão Digital), defende que esse mecanismo seja capaz de gerar um documento, que fundamente as reclamações dos usuários insatisfeitos.

Já para a advogada da Proteste, Flávia Lefèvre, o instrumento é necessário, mas a discussão sobre a qualidade da banda larga não pode se limitar à verificação da velocidade. “Qualidade é um conceito muito mais amplo do que isso”, enfatiza. Ao invés de limitar o debate, ela defende uma discussão ampla, que passe à limpo toda a regulação do serviço, resolvendo eventuais pendências

Lefèvre acha que o debate sobre a natureza jurídica do serviço, se prestado em regime público ou privado, e a neutralidade da rede são pontos importantes para garantir a qualidade da banda larga. Mas, o tema neutralidade de rede não encontra eco entre as teles, que consideram o conceito muito aberto.

Outro ponto debatido na reunião foi o tratamento dos dados obtidos com a fiscalização do serviço de forma a divulgar, de maneira atualizada, ampla e irrestrita, o desempenho das diferentes prestadoras e as discrepâncias encontradas entre as taxas de transmissão contratada e disponibilizada.

A Telcomp, que é contra parâmetros mínimos para a banda larga, por considerar um limitador para que as empresas ofereçam planos que melhor se adéqüem às necessidades dos usuários, defende a adoção de um selo para diferenciar as velocidades realmente ofertadas. Assim, as empresas com o selo verde, por exemplo, entregaria taxa de velocidade mais próxima a contratada, enquanto o selo vermelho indicaria uma taxa menor do que a contratada e o selo amarelo, um meio termo entre as duas outras situações.

Todos essses temas serão aprofundados nas duas reuniões, que ainda não têm data previstas.

Anterior Queixas contra serviços de telecomum voltam a crescer
Próximos Assinantes de DTH puxam crescimento da TV paga