FITec: o desenvolvimento tecnológico e seus desafios.


{mosimage}Os institutos de ciência e tecnologia brasileiros convivem com diversos obstáculos, ressalta José Luis de Souza, como a falta de cobertura integral dos custos de pesquisa e desenvolvimento e o não enquadramento, na Lei do Bem, das empresas de informática. 

A FITec – Fundação para Inovações Tecnológicas nasceu da fusão das fundações General José Antonio de Alencastro e Silva e Aldemar Fernandes Parola, quando a Lucent Technologies adquiriu respectivamente a Batik Equipamentos SA e a Zetax Tecnologia. Assim foi constituído um forte time de desenvolvimento em telecomunicações e TI, cujos resultados estão presentes em mais de 20 países. Doutores, mestres, engenheiros, analistas, designers com formação específica no Brasil e no exterior compõem este time. Com o passar dos anos, a Lucent decidiu que a FITec se transformasse em entidade independente, abrindo mão do papel de mantenedora do Instituto e passando a relacionar-se como seu cliente, através do Bell Labs e também da estrutura brasileira da Alcatel-Lucent.

Com unidades em Campinas, Belo Horizonte e Recife, a FITec é parceira de empresas que atuam nos diversos segmentos de fabricação, engenharia, operação, envolvendo as mais diversas tecnologias de telecom e TI em software, hardware, design e suporte. Na vertente de consultoria, o Instituto tem atuado junto a operadoras como parceiro de projetos de redes, estruturação e escolha de fornecedores. Seus laboratórios em Campinas são acreditados pela Anatel e pelo INMETRO, atuando principalmente na certificação de equipamentos terminais (modems, roteadores, switches, etc.) e cabos de telecomunicações.

Entre as tecnologias de foco da organização, destacam-se:

PUBLICIDADE
  • TV Digital/ IPTV
  • WiMax
  • Intelligrid/ PLC
  • Telefonia IP (VoIP)
  • VANT – Veículos Aéreos Não Tripulados

TV Digital/ IPTV

A FITec participou do desenvolvimento do sistema brasileiro de TV Digital em diversas áreas de especialização, como transcodificação de vídeo, canal de retorno, middleware, aplicativos de entretenimento e e-Gov.  Em conjunto com a Unicamp e o Instituto Eldorado continua desenvolvendo a solução de WiMax como canal de retorno da TV Digital. Investiu na base tecnológica para settop boxes, para os quais atualmente busca parceiros industriais.

WiMax

Além do canal de retorno da TV Digital, também nesta área a FITec investiu na base tecnológica dos terminais e radiobases, para os quais busca parceiros industriais.

Intelligrid/ PLC

Em parceria com empresas de energia elétrica, a FITec desenvolve soluções utilizando o conceito Intelligrid do EPRI (Electrical Power Research Institute). Pioneira na tecnologia PLC (Power Line Communication), a FITec participou da experiência em Barreirinhas (MA), prova de conceito fundamental para a solução, e está pronta para a fase 2 do projeto, em fase de aprovação.

Telefonia IP (VoIP)

Nesta área, mais especificamente falando de VoIP, a FITec possui dois produtos próprios, o FITphone e o FITmessenger. O primeiro um softphone SIP e segundo um messenger com flexibilidade de voz, dados e vídeo. Além destes produtos, a FITec vem trabalhando em projetos relacionados à telefonia IP, desenvolvendo centrais NGN, gateways e prestando consultoria na especificação de redes de telefonia de próxima geração.

VANT – Veículo Aéreo Não Tripulado

Pioneira no Brasil, a FITec criou a base tecnológica que permitiu a criação de aplicativos de interesse da CEMIG na supervisão de linhas de transmissão e outros. Os primeiros vôos foram um sucesso e os investimentos crescem na área para aplicações em energia elétrica e outras como petróleo, agricultura, segurança, etc.
 
O Ambiente de P&D no Brasil

As informações relativas a P&D no Brasil não são atualizadas e divulgadas com a freqüência requerida pelas constantes mudanças da tecnologia. Assim, vale a abstração quando lidas as informações disponíveis. Comparando os números do Brasil e do exterior, o quadro abaixo nos mostra a situação de investimentos insuficientes em Inovação (base 2003).


Fonte: OCDE, MCT, Unesco

A Pesquisa de Inovação Tecnológica – PINTEC, feita pelo IBGE de 2003 a 2005, apresentou informações importantes para as conclusões de cenário de P&D no Brasil: o percentual de empresas que implementam inovação é baixo em telecom e TI e a importância das atividades de P&D é menor que a aquisição de produtos e software.

Na PINTEC 2005 também são encontrados os principais obstáculos à Inovação

  • Condições de mercado
  • Elevados custos da inovação
  • Riscos econômicos sucessivos
  • Escassez de fontes de financiamento
  • Falta de pessoal qualificado

O valor estratégico da inovação não é reconhecido

Os ICTs (Institutos de Ciência e Tecnologia) convivem com obstáculos adicionais como:

  • As regras da Finep e de outros órgãos não permitem cobertura total dos custos de P&D
  • A Lei do Bem não se aplica às empresas enquadradas na Lei de Informática
  • A paridade do Real frente ao Dólar reduz significativamente a competitividade na exportação de serviços

Resumo da Situação

  • Processo não aumenta significativamente a competitividade
  • Dificuldade do governo de operar os instrumentos criados
  • Setor privado lento em se engajar
  • Baixa inserção das empresas brasileiras no cenário internacional
  • Baixa atração de investimentos em P&D dos grandes grupos empresariais internacionais

Nossa sugestão para o setor de telecomunicações (não limitada a ele)

  • Focar nas necessidades do consumidor
  1. Banda Larga
  2. Conteúdo
  3. Educação
  • Focar no aumento da competitividade
  1. Processos/ Produtos
  2. Formação de RH/ Conhecimento
  3. Formação de Gestores do Governo
  • Executar de forma integrada e consistente as políticas nos diversos setores do governo
  • Simplificar a execução dos programas e ampliar a divulgação dos mecanismos de apoio à inovação
  • Não limitar a adoção de tecnologias de telecomunicações

 


*Presidente da FITec

Anterior Em 2007 Positivo vendeu 1,4 milhão de PCs
Próximos Espanha ganha serviço de SMS certificado