Firjan quer tratamento especial para empresas em novo PNBL


 

Em abertura da Futurecom 2012, nesta segunda-feira (8), a Firjan divulgou uma carta endereçada ao governo federal requerendo regras específicas de qualidade na prestação de serviços de telecomunicações no setor corporativo. Segundo a entidade, o setor produtivo do país enfrenta a falta de diversidade de serviços, baixa qualidade, descompasso com o atendimento e até a escassez de cobertura.

Entre os pedidos, está a definição de padrões mínimos de velocidade para tráfego de dados (de 15 Mbps) e garantia de banda (pelo menos 20% em relação à velocidade de download contratada), isenção de ICMS, com tratamento isonômico, semelhante ao já instituído no PNBL para usuários domésticos.

Além disso, a Firjan requer um padrão de disponibilidade dos serviços, em que a interrupção máxima não exceda 90 minutos e que não ultrapasse 7,2 horas. Pela regra, 97,5% dos reparos devem ser feitos em até 4 horas e 100% em até 12 horas.

A entidade ainda pede agilidade na destinação da banda de 700 MHz para ampliação da cobertura de banda larga móvel e que a outorga contenha a obrigatoriedade de uma oferta mínima de banda larga ao setor empresarial.

Quanto à infraestrutura de telecomunicações, requer maior exigência quanto à compartilhamento de redes, que aumentaria a concorrência e melhoraria serviços e a criação de regras, e âmbito nacional padronizando a instalação de torres e antenas. (Da redação).
Anterior Bernardo fala no Futurecom sobre o desafio de universalizar a banda larga
Próximos Operadoras vêem fornecedoras de OTT como parceiras, não ameaça