Firjan propõe metas de atendimento às empresas no PNBL


O presidente da Firjan (Federação das Indústrias do Rio de Janeiro), Eduardo Gouvêa Vieira, entregou nesta quarta-feira (6) ao ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, uma proposta de inclusão de metas de atendimento ao setor empresarial no Programa Nacional de Banda Larga (PNBL). A proposta prevê um pacote mínimo de serviço, com entrega de 15 Mbps de tráfego para download, com garantia de entrega de 20% em relação à velocidade contratada, tudo isso a preço competitivo, comparado com o praticado em países desenvolvidos nesse setor, como a Coréia.

Segundo Gouvêa, o acesso aos serviços de banda larga com qualidade permite às empresas usufruir de tecnologias que incrementam sua produtividade e garantem sua competitividade. O presidente da Firjan disse que a proposta foi bem recebida pelo ministro, que já pensava em incluir metas de pessoas físicas no PNBL e ele acredita que é possível ser atendida em curto espaço de tempo. “A Telebrás já se comprometeu a entrar com a infraestrutura”, disse Gouvêa, informando que o presidente da estatal, Caio Bonilha, participou da reunião.

“Essa agenda empresarial é importante porque a banda larga é tão importante para indústria no século 21 como foi a eletricidade no século 19”, disse Gouvêa. Ele disse que sem essa ferramenta as indústrias perdem competitividade.

A proposta da Firjan prevê a oferta do que chama “Pacote Empresarial” em todo o território nacional, priorizando os municípios concentradores de atividade econômica com relevante contribuição para o PIB. Ou seja, a oferta seria implementada em municípios que tiver mais de 700 indústrias de micro, pequeno ou médio porte; mais de três grandes indústrias; ou valor adicionado bruto da indústria acima de R$ 1 bilhão. “Em mapeamento realizado com dados oficiais, detectamos 147 municípios que atendem a pelo menos duas dessas condições”, disse Gouvêa.

Os 147 municípios, segundo o estudo da Firjan, abrigam mais de 260 mil indústrias (51% do total nacional) e uma população de cerca de 74,5 milhões de habitantes. “Em muitas dessas cidades não há oferta de pacote com velocidades de 10 Mbps pelas teles e nas que têm, o preço é proibitivo para as micro, pequenas e médias empresas”, disse Ana Hofnann, coordenadora do Projeto de Telecom da Firjan.

Os municípios que seriam contemplados estão concentrados basicamente na região Sudeste (54,3%), seguida da região Sul (20,9%) e pela região Nordeste (13,5%). As regiões Centro-Oeste e Norte apresentam menor quantidade de municípios (8,7% e 2,6%, respectivamente).

Anterior Tablet e smartphone geram 5% do tráfego mundial de internet
Próximos Facebook anuncia novo serviço de mensagens em vídeo