Finep vai financiar compra de equipamentos de telecom


TeleSintese-Dinheiro-Moeda-Grafico-Valores-dolar-Fotolia_83234550

A Finep, braço de investimentos em tecnologia e inovação do governo federal, vai abrir uma linha de crédito para financiar a aquisição de equipamentos de telecomunicações. A empresa já tem em caixa R$ 630 milhões do Fundo de Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações – Funttel –, que serão usados para esse fim, ao longo dos próximos três anos.

Segundo Márcio Girão, diretor de inovação da financiadora, empresas de qualquer porte poderão solicitar o crédito. “Vamos ampliar os investimentos que fazemos na cadeia de telecomunicações, vamos passar a financiar também quem compra inovação”, disse, durante a abertura do Abrint 2017, encontro nacional dos provedores regionais de acesso banda larga – evento que acontece nesta semana, em São Paulo.

Terá direito ao crédito empresa de qualquer porte que apresente projeto de infraestrutura de telecomunicação. A Finep fará uma análise do crédito da empresa antes de decidir pelo montante que vai financiar. O valor poderá chegar a 80% do projeto, a partir de R$ 500 mil. O prazo de carência é de 12 meses e o valor tem que ser amortizado em 24 parcelas.

Também haverá condicionantes. A aquisição de fibra óptica não será permitida. E os equipamentos adquiridos devem todos ter tecnologia nacional, conforme a Portaria 950 do Ministério da Ciência e Tecnologia. Conforme o executivo, os juros serão de 7% ao ano mais a TR.  “Com isso, agora estamos reservando agora um valor do Funttel para financiar a demanda por telecomunicação”, completou. O programa será oficialmente lançado em 19 de junho, em evento no Rio de Janeiro.

Anterior Angola Cables assegura recursos finais para seus projetos
Próximos Relator da CDC apoia PL que proíbe franquia de dados na internet fixa

1 Comment

  1. João Valentão
    1 de junho de 2017

    Não sei o que é pior: o governo emprestar dinheiro pra empresário a juros subsidiados ou impor políticas anacrônicas de conteúdo nacional! Acho que os escândalos do BNDES não ensinaram nada pro governo.