Para o ministro, resolver o problema das concessões de telefonia fixa e ampliar os investimentos em banda larga  é um programa  suprapartidário que poderá  contar com o apoio também dos partidos de oposição, e por isso o seu otimismo quanto à aprovação ainda este ano das mudanças no marco legal.  Assinala  que vários temas de interesse do governo foram aprovados em 2015, com o apoio da bancada da oposição, e citou o ProFuti (voltado para o futebol) como um dos exemplos.

Ele   pretende promover audiências públicas em diferentes estados da federação para ampliar o debate do novo Marco Legal, enquanto o PL tramita no Legislativo.

Segundo Figueiredo, já é um consenso que o orelhão não atende mais ao interesse dos brasileiros. “Em todas as localidades onde vou, pergunto às pessoas simples quantas ainda usam o orelhão e ninguém levanta mais a mão”, afirmou ele. O ministro participou do seminário Políticas de Telecomunicações, promovido pela Converge.