Fibra óptica pode alcançar 12 milhões de casas no interior do país, diz estudo.


Como muitos provedores regionais estão fibrando cidades do interior do país, algumas delas com menos de 10 mil habitantes, a Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint) decidiu desenhar um mapa dos mercados dos distritos brasileiros onde é economicamente viável instalar redes de FTTH, ou seja, fibra até a casa do cliente. Para isso, contratou uma consultoria que fez um levantamento e identificou os distritos a partir de três variáveis: PIB por distrito, perfil de gastos da população com telecomunicações e perfil de pacotes a serem comercializados.

Os resultados vão ser apresentados ao governo, como subsídio para a definição da nova fase do Plano Nacional de Banda Larga, o PNBL 2.0 ainda em construção. De acordo com o levantamento, 1.284 distritos do interior do país contam com renda suficiente para justificar o investimento de provedores regionais em FTTH. Como seus associados são provedores regionais, a maioria com menos de 50 mil assinantes, a Abrint focou o estudo em cidades menores, já que as grandes cidades são atendidas pelas operadoras de grande porte.

Para fibrar esses distritos que reúnem 12 milhões de domicílios e 40 milhões de habitantes seriam necessários R$ 9,5 bilhões. Um investimento que os provedores regionais podem bancar, desde que contem com uma linha de financiamento em boas condições: dois a três anos de carência e mais sete anos para pagar o empréstimo. “Esse é o nosso horizonte”, diz Erich Matos Rodrigues, vice-presidente do Conselho Consultivo da Abrint e responsável pelo acompanhamento da pesquisa.

Dos distritos identificados como viáveis para o desenvolvimento do projeto, 47,5% estão localizados no Sudeste; 23,5%, no Sul; 13,5 %, no Nordeste; 10,3% no Centro-Oeste; e 5,2%, no Norte. Os pacotes a serem ofertados seriam triple play, contemplando também vídeo (TV por assinatura). E o ticket médio por assinante iria de R$ 125 (plano básico) e R$ 379,90.

“O investimento em uma rede FTTH é um investimento em  uma rede à prova de futuro, capaz de trafegar velocidades altas e oferecer múltiplos serviços”, comenta Rodrigues. Resta saber qual a disposição do governo em apostar na construção de redes de fibra óptica para modernizar a infraestrutura de telecomunicações do país.

 

Anterior Segunda fase do programa Startup Brasil aceitará inovações em hardware
Próximos Conheça o projeto de iluminação inteligente da cidade de São Paulo no Wireless Mundi