Ferrari, do Planejamento, critica falta de regulação das OTTs no país


Para Marcos Ferrari, a assimetria regulatória entre as empresas de internet e as teles é mais um fator para prejudicar a rentabilidade e os investimentos das operadoras do setor.

fusao-torres-internet-conexao-anatel-infraO secretário de Planejamento e Assuntos Econômicos do Ministério do Planejamento, Marcos Ferrari, acredita que a assimetria existente  no Brasil entre a regulação das empresas Over The Top (OTT, empresas de conteúdo da internet) e de telecomunicações acaba prejudicando a rentabilidade das operadoras de telecom e os investimentos em banda larga.

” As operadoras de telecomunicações têm que se defender da falta de regulação das OTTs no país. É preciso haver o ambiente competitivo, mas um pouco mais de convivência harmônica e competitiva dos dois segmentos seria necessária para evitar a inflexão do ARPU”, disse ele durante o Painel Telebrasil. ARPU é a conta média dos serviços de telecom, que atualmente está em US$ 6,00 por mês.

Ferrari avalia ainda que há um descasamento entre a regulação das telecomunicações e a realidade, gerando empecilhos para investimentos no setor. ” O PLC 79 irá romper esse círculo”, acredita.

Em relação à redução tributária, pauta recorrente das empresas de telecomunicações, o executivo assinalou que o governo não pode diminuir a arrecadação. Lembrou que nos últimos anos a União abriu mão de 2,5% em impostos, fundamentais para minimizar o déficit público. “Se tivéssemos mantido essa arrecadação, o déficit público não seria tão grave”, afirmou.

 

 

Anterior Direção da Oi vai fazer ajustes no plano de recuperação da empresa semana que vem
Próximos Teles dizem que baixa rentabilidade pode comprometer futuro da indústria