Ferramenta de EAD do Serpro terá games e acesso por celulares


O Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) pretende renovar sua plataforma de ensino a distância (EAD) em 2013. Ao longo do ano, a Escola de Inclusão Digital ganhará recursos inéditos e uma renovação de plataforma. A principal novidade será a atualização da plataforma Moodle. Atualmente na versão 1.9, será migrada até junho para a 2.x, mais estável e com mais recursos. Com a adoção do Moodle 2.x, será mais fácil implementar o acesso por dispositivos móveis, como celulares e tablets. O objetivo do Serpro é que sua Escola de Inclusão Digital esteja acessível nesses aparelhos até o final do ano. Outra novidade será a criação de games educativos, desenvolvidos em Unity.

O primeiro jogo ainda está em fase de desenvolvimento e passará por testes antes de ser colocado no ar. Será voltado para ensino de técnicas de prevenção de acidentes e, além de ficar online, poderá ser distribuído entre representantes de Comissões Internas de Prevenção de Acidentes (Cipas). Ainda não existe, porém, previsão para que entre no ar. Representantes do Serpro esperam que aconteça, também, antes do final do ano.

Por fim, a equipe de desenvolvimento do Serpro vem trabalhando em uma plataforma alternativa ao Moodle, baseada no software livre OpenMeetings. Testes feitos internamente mostram receptividade de usuários e professores que precisam se conectar através de videoconferência. Com o OpenMeetings, é mais simples oferecer aulas ao vivo para grupos determinados. Isso não significa, porém, uma substituição ao Moodle. A intenção é ter as plataformas atendendo a necessidades específicas, sendo usadas de maneira complementares uma à outra.

Tudo isso foi apresentado nesta quinta-feira pela manhã, em palestra na Campus Party, encontro de usuários de tecnologia que acontece em São Paulo. Além das novidades, os representantes do Serpro ressaltaram a importância de iniciativas de inclusão sociodigital. Enquanto a Escola oferece acesso livre online a qualquer pessoa a 17 cursos e conteúdos sob licença Creative Commons, o Serpro se colocou à disposição para intermediar ações de inclusão em cidades onde o diálogo entre sociedade de o poder público, por algum motivo, esteja prejudicado. Basta entrar em contato com o Serviço, que eles ensinam os caminhos das pedras de como implantar um telecentro. (Fonte: Revista ARede)

Anterior Curitiba desenvolve aplicativo para pesquisa de material escolar
Próximos Correios vão contratar 50 mil acessos móveis em 14 estados