Faixa de 450 MHz está sendo trocada por satélite. Como é possível?


A disputa que se abriu pelo fim da tecnologia de celular analógica no país (AMPS), que teria data para acabar, no próximo dia 26 de março, mas o debate foi reaberto com uma nova consulta pública da Anatel, traz também um outro debate, que é o futuro da tecnologia nacional e a aposta brasileira no uso da frequência de 450 MHz para levar as telecomunicações para as áreas rurais brasileiras.

Conforme a Oi, que tem até um projeto aprovado com os subsídios do REPNBL para construir a rede LTE 450 MHz em Goiás e em Brasília, a alternativa de se ocupar essa frequência baixa para levar a banda larga para os rincões do país ainda não se comprovou comercialmente viável. A empresa defende que a oferta via satélite é a melhor saída, pois não é tão mais cara, traz redução de custos de instalação e pode entregar novos serviços.

Em sua contribuição para a discussão da continuidade do Ruralcel, a concessionária alega que, transcorridos três anos da licitação da faixa de 450 MHz -(ela foi vendida juntamente com a frequência de 2,5 GHz) “a frequência ainda não pode ser utilizada em termos comerciais no país, uma vez que, além da falta de fornecedores de equipamentos e terminais para tal faixa, o avanço tecnológico e os interesses de negócios estão fazendo com que novos padrões tecnológicos, como o LTE-450 e não mais o CDMA-2000 planejado pela agência, sejam desenvolvidos e possam ser utilizados.”

O problema, aponta a empresa é que só recentemente teriam surgido “ainda de forma bastante embrionária” as primeiras perspectivas de uso dessa faixa com a tecnologia LTE”. O interessante, é que, conforme a Oi,  as operadoras  não estão se valendo de outras frequências terrestres do celular para atender às metas estipuladas no leilão, mas sim optando pela cobertura satelital.

Conforme a concessionária, que quer implementar essa solução também para os seus clientes do Ruralcel, “do ponto de vista técnico, a solução permitirá atender áreas geográficas mais amplas, independentemente de características de relevo e morfologia, sendo até mais vantajosa que soluções GSM, em função da dispersão demográfica em áreas rurais e do menor alcance de cobertura das ERBs principalmente aquelas utilizando especificamente frequências altas.”

A Oi defende ainda que o atendimento via satélite para usuários que se encontram em regiões remotas distantes dos grandes centros não é tão mais onerosa do que as soluções terrestres com o GSM e rádios monocanais, pois, argumenta, o satélite permite a redução de custos de instalação dos meios adicionais diante do volume de terminais envolvidos e da possibilidade de serem oferecidos outros serviços aos usuários, que não seriam possíveis se fosse utilizada apenas a rede terrestre.

 

 

 

 

 

 

 

Anterior equinix: Investimentos na primeira etapa do quinto datacenter são de US$ 76 mi
Próximos Ruralcel: Oi pede um ano a mais e Vivo quer acabar já com o analógico

2 Comments

  1. Vagner Ornelas
    21 de Março de 2016

    Seria possível ter um Ruralcel via banda Ka, sem os tradicionais delays dos satélites ?

  2. 21 de Março de 2016

    A raiz da publicação, estive revisando as opções de conexão via satélite.

    http://www.primesat.com.br/#!precos-e-planos

    A velocidade máxima no Downlink (recebimento) do serviço via satélite da Primesat (uma das opções de conectividade via satélite no Brasil) é de 125kBytes/sec (1000 Kbps) e o custo mensal é de R$ 3000 Reais. Ainda parece caro.