Facebook vai limitar propaganda eleitoral nos EUA em suas páginas


hacker-seguranca-conexao-dados-criptografiaPara responder às críticas de que foi permissivo ao uso de suas páginas por cidadãos e empresas russas que fizeram campanha para influenciar as eleições presidenciais de 2016 a favor de Donald Trump com propaganda falsa, o Facebook informou, no final de semana, que usará cartões codificados, distribuídos pelo correio, para verificar identidades e localização de pessoas que desejarem comprar publicidade em suas páginas relacionada às eleições estaduais dos Estados Unidos que acontecem dentro de dez meses. O Facebook revelou os planos um dia depois que o conselheiro especial dos EUA Robert Mueller acusouacusaria 13 russos e três empresas russas de realizar uma conspiração criminosa e de espionagem usando mídias sociais para interferir na eleição, promovendo o republicano Donald Trump e denegrindo a candidata democrata Hillary Clinton.

O processo de utilização de cartões postais contendo um código específico será exigido para propaganda que mencione um candidato específico a um cargo eletivo, disse Katie Harbath, diretora global de programas de políticas do Facebook. O requisito não se aplicará aos anúncios políticos genéricos. E explicou: “Se você publicar um anúncio mencionando um candidato, nós enviaremos um cartão postal e você terá que usar esse código para provar que você está nos Estados Unidos.”

Embora possa não resolver todos os problemas, o envio de códigos através do correio tradicional foi o método mais eficaz que o Facebook encontrou para evitar que os russos e outros adquiram anúncios enquanto posam como outra pessoa, disse Harbath. Os estrangeiros estão proibidos, de acordo com a lei dos EUA, de contribuir ou doar dinheiro ou qualquer outra coisa de valor ou fazer qualquer despesa em conexão com qualquer eleição federal, estadual ou local nos Estados Unidos. (Com noticiário internacional)
 

Anterior EUA tentam prevenir ataques cibernéticos nas eleições estaduais
Próximos Pagotti deixa a Setic; Rubin assume interinamente