Facebook lança Home, camada para o Android, para ser o centro das atividades nos smartphones


Se há algum tempo haviam dúvidas se o Facebook conseguiria avançar em um universo móvel, agora será difícil questionar a capacidade de a solução estar presente em smartphones e tablets. Utilizando a prerrogativa de que plataformas baseadas em aplicativos estão ultrapassadas, dificultam a vida dos usuários e os chateia, a rede social de Mark Zuckerberg apresentou nesta quinta-feira (4) o Home, um aplicativo que cria uma espécie de camada em cima do sistema operacional do Android, do Google, para se tornar praticamente um sistema operacional “centrado em pessoas”.

Caso um usuário escolha instalar o Home Facebook em seu aparelho, ao ligá-lo, ele não mais encontrará uma foto, mas o seu feed de notícias como página inicial (Cover feed), o que deve elevar o nível de interação da comunidade, que já não é baixo – de acordo com Zuckerberg, 40% do tempo que os usuários de smartphones passam em aplicativos é na rede social. Analistas apontavam a necessidade do Facebook elevar o seu engajamento como essencial para o avanço do negócio.

Uma das questões solucionadas com o lançamento do Home era a pouca capacidade de o Facebook se tornar o centro de troca de mensagens entre usuários. Com uma grande quantidade de aplicativos de mensageria IP sendo vendidos, alguns angariando boa popularidade como no caso do WhatsApp, o Facebook perdia uma parte do tempo de uso dos usuários. Agora, se o usuário instala o Home, o Message do Facebook passa a ser a central de mensageria, inclusive integrada com as trocas SMS, em um sistema chamado de Chat Heads.

A notícia não é das melhores para as operadoras de telecomunicações, uma vez que, em sendo as funções SMS e mensagens IP integradas, boa parte das trocas de textos ocorrerão na forma de troca de dados. Isso sem falar na possibilidade da integração avançar para voz, uma vez que a rede social já disponibilizou as chamadas no app, inclusive no Brasil. Para as empresas de aplicativo de mensagens IP, que ficarão “escondidas” atrás da Home Facebook, a popularização da solução lançada hoje tampouco é um cenário positivo.

Um aparelho

Para quem esperava o anúncio de um aparelho, Zuckerberg logo explicou: um smartphone do Facebook, ou um sistema operacional próprio, chegaria apenas a uma parcela ínfima da comunidade que utiliza a rede social, estimada em 1 bilhão de usuários. Com o Home, ele pode chegar a todos os usuários Android, que crescem continuamente.

O idealizador do Facebook apresentou uma lista de fabricantes de dispositivos móveis que se comprometeram a trabalhar na plataforma, mas foi a HTC, com o HTC First, a companhia a apresentar o primeiro “Facebook Phone”, em que o Home já virá instalado. O aparelho deverá estabalecer um padrão em hardware para atender aos requisitos do aplicativo. (Da redação).

 

 

Anterior Telefônica Vivo vence concorrência no ES para ampliar cobertura rural
Próximos Fim do projeto das agências reguladoras é confirmado pela Câmara dos Deputados