Facebook adere a pedido de empresas para divulgação de informações entregues a serviço de segurança


O Facebook informou nesta segunda-feira (9) que decidiu se unir a outras empresas de tecnologia da informação em uma petição à Corte de Inteligência em Vigilância Estrangeira, que solicita ao governo dos Estados Unidos a permissão para tornar públicas mais informações a respeito do volume e tipo de dados de usuários solicitados por meio dos programas de segurança nacional.

Para a companhia, nas últimas semanas ficou claro que o diálogo com o governo dos Estados Unidos está avançado o suficiente para resultar em maiores progressos em termos de avanços na transparência sobre a entrega de dados de usuários.
 

Em junho, as empresas envolvidas no escândalo de espionagem de cidadãos e governos pela internet realizada pela Agência Nacional de Segurança (NSA) dos Estados Unidos obtiveram o direito divulgar o número total de pedidos judiciais para acesso a dados, incluindo aqueles envolvendo as ações de segurança nacional.
 

Agora, a companhia pretende especificar, mesmo que aproximadamente, o número de usuários associados aos pedidos envolvendo segurança nacional e quantos requereram o conteúdo das contas dos usuários.
 

A preocupação do Facebook, assim como a das demais envolvidas no pedido, é de que a entrega de dados de usuários ao governo dos Estados Unidos prejudique sua reputação e afaste os consumidores.

Segunda a empresa fundada por Mark Zuckerberg, “há mais informação que o público merece saber, e que iria ajudar a alimentar o debate a respeito de quanto os programas de segurança do governo balanceiam adequadamente o direito à privacidade enquanto tenta proteger o público”.

Em nota, o Facebook reafirmou sua intenção de defender agressivamente uma maior divulgação dos fatos. (Da redação)

Anterior A cobrança da Condecine pode inviabilizar o VOD antes dele se firmar, avalia diretor da Globosat.
Próximos Telebrasil vê queda de 17% no preço médio do minuto do celular em um ano