Exportação de celulares tem queda de 23% no primeiro trimestre


No primeiro trimestre de 2010, o déficit comercial de produtos eletroeletrônicos atingiu US$ 5,82 bilhões, 66% acima do registrado no mesmo período de 2009 (US$ 3,51 bilhões). Conforme os dados da Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica), enquanto as exportações do setor somaram US$ 1,65 bilhão, o mesmo montante apontado no primeiro trimestre …

No primeiro trimestre de 2010, o déficit comercial de produtos eletroeletrônicos atingiu US$ 5,82 bilhões, 66% acima do registrado no mesmo período de 2009 (US$ 3,51 bilhões). Conforme os dados da Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica), enquanto as exportações do setor somaram US$ 1,65 bilhão, o mesmo montante apontado no primeiro trimestre do ano passado, as importações totalizaram US$ 7,5 bilhões, 44,9% acima das apontadas em igual período de 2009. Quanto à origem das importações, permaneceram em destaque os países do Sudeste da Ásia, que respondem por US$ 4,8 bilhões do volume importado, ou seja, 64,4% do total de importações, sendo US$ 2,5 bilhões provenientes da China.

De janeiro a março deste ano, a exportação de telefones celulares teve queda de 23%, para US$ 248 milhões, contra US$ 323 milhões exportados no primeiro trimestre de 2009. Apesar da redução, celulares se mantém na liderança, representando o maior volume por produto exportado. A Argentina permaneceu como principal destino das exportações desses aparelhos, respondendo por 58% do total. No período, as vendas totalizaram US$ 143 milhões para o país vizinho, um acréscimo de 12%. Além da Argentina, houve incremento nas vendas para Equador, Uruguai e Peru. No sentido oposto, as exportações de celulares apontaram fortes retrações para países como Estados Unidos (-58%), México (-52%), Colômbia (-74%) e Venezuela (-89%). A Abinee destaca que, no caso da Venezuela, o país foi o segundo maior destino das vendas de celulares no 1º trimestre de 2009 e passou para a 10ª posição em 2010, reduzindo de US$ 56,8 milhões, para US$ 6,5 milhões, as compras no período. (Da redação, com assessoria de imprensa)

PUBLICIDADE
Anterior Governo eleva subvenção do BNDES à inovação tecnológica
Próximos Dança das cadeiras na IBM Brasil