Experiência em conciliação de Campelo deve ajudar Anatel na resolução de conflitos


Emmanoel-Campelo-cnj-divulgacaoPelos discursos de saudação ao novo conselheiro da Anatel, o advogado potiguar Emmanoel Campelo, o seu principal atributo para desempenhar bem o novo cargo é a sua especialização acadêmica e sua experiência prática em conciliação e mediação de conflitos, área em que a agência não tem colhido muitos bons resultados apesar dos esforços das comissões de arbitragens. Suas qualidades como mediador foram destacadas pelo senador José Agripino Maia (DEM/RN), um dos patronos de sua indicação, pelo ministro Marco Buzzi, do Superior Tribunal de Justiça, e mesmo pelo presidente da Anatel, Juarez Quadros. O ministro Gilberto Kassab, da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, lembrou o caráter conciliador do pai do conselheiro, ministro do TST, e de como a sua indicação foi pactuada tranquilamente, ganhando adesões. A cerimônia de apresentação de Campelo foi realizada hoje pela manhã no auditório da Anatel, em Brasília.

Para o novo conselheiro, sua experiência na área da conciliação, na qual atuou por cinco anos no Conselho Nacional de Justiça, vai lhe ajudar a enfrentar os desafios que terá à frente na Anatel e que são muitos. “A Anatel e a Lei Geral de Telecomunicações estão completando 20 anos e há necessidade de uma atualização do modelo de regulação. É uma enorme responsabilidade atualizar a regulação do setor de telecomunicações para atender ao interesse público em tempos difíceis provocados pela crise política e econômica. Temos que desenvolver políticas públicas e atrair investimentos econômicos para continuar desenvolvendo o setor”, disse.

Segundo Campelo, para que a atividade de conciliação funcione, o primeiro passo é investir em capacitação.  “No Poder Judiciário, depois que investimos em capacitação de pessoal, os resultados foram surgindo de maneira escalável”, relatou.

Anterior Abrint quer entrar como parte interessada no processo do TAC da Telefônica
Próximos Saída da Oi tem que ser pelo mercado, diz novo conselheiro da Anatel