Ericsson prevê que 5G chega em 40% da população mundial em 2024


Estima-se que cerca de 40% da população mundial estará coberta pela rede 5G, até o final de 2024. Isso significa que a nova tecnologia será responsável por 25% do tráfego de dados móveis gerado pelas 1,5 bilhões de conexões previstas para o período. Os Estados Unidos responderão por cerca de 55% dessas conexões e a América Latina 7%, de acordo com a nova edição do relatório do Mobility Report da Ericsson, apresentado durante o 6th Global 5G Event Brazil 2018.

O relatório aponta ainda que, em 2018, os dispositivos conectados às redes móveis, que este ano chegou a 8,6 bilhões, superaram pela primeira vez o número de pessoas, 7,83 bilhões. A expectativa para os próximos cinco anos será de 8,9 bilhões de pessoas e 22,3 bilhões de coisas conectadas à rede 5G. Crescimento exponencial do tráfego em 32%, média mundial, o vídeo representa 60% hoje e deverá atingir 74% em 2024.

“Segurança cibernética, privacidade de dados e neutralidade da rede são três pontos-chave relacionados às redes 5G que devem ser discutidos pelo governo, sociedade, indústria e academia”, afirma Tiago Machado, diretor de Relações Institucionais da Ericsson, durante o painel sobre Infraestrutura para 5G. Segundo ele, o aumento de produtividade em várias áreas será a maior contribuição que a revolução dessa nova tecnologia trará para sociedade brasileira.

De acordo com o relatório, o uso elevado de smartphones, especialmente na China, gerou impacto no tráfego de dados móveis.  O tráfego, no terceiro trimestre de 2018 cresceu cerca de 79%, a maior taxa apresentada desde 2013. Enquanto os Estados Unidos, primeiro país a introduzir rede 5G comercialmente, ainda mantém a liderança em tráfego de dados por smartphones, com 8,6 gigabytes por mês.

A pesquisa aponta ainda que as tecnologias NB-IoT e Cas-M1 estão potencializando o crescimento mundial das conexões de IoT por smartphones. A região nordeste da Ásia deverá responder por 2,7 bilhões do total das 4,1 bilhões de conexões de IoT por celular previstas para 2024.

No Brasil, a expectativa em torno do IoT é grande a partir das oportunidades de ganhos econômicos que se vislumbram com a nova rede, cujo leilão está previsto para o próximo ano. “Negócios inovadores serão criados e a digitalização da indústria de todos os setores será algo essencial e poderá apresentar um potencial de ganhos para muitos setores”, diz Machado. Segundo ele, os serviços oferecidos aos usuários pelas operadoras cresce em média 2% ao ano, a digitalização poderá trazer uma receita adicional da ordem de 36%.

Para atender a essa demanda sem limites sobre as redes de telecomunicações,  a Ericsson investiu 19% do seu faturamento em P&D no ano passado.  A tecnologia 5G continuará sendo a principal plataforma tecnológica para a empresa, nos próximos 10 anos.

Anterior EMBRAPII firma acordo de US$ 10 milhões com Israel para projetos de inovação industrial
Próximos eSocial avança apesar da pouca divulgação

Sem comentários

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *