Ericsson investe US$ 15 milhões e amplia produção no Brasil


Com investimentos de US$ 15 milhões programados para este ano, a Ericsson inaugurou  hoje uma nova linha de produção em sua fábrica de São José dos Campos, interior de São Paulo, onde passa a produzir de imediato módulos eletrônicos para estações radiobase 2G e 3G. "Com a inauguração desta unidade estamos preparando a Ericsson para …

Com investimentos de US$ 15 milhões programados para este ano, a Ericsson inaugurou  hoje uma nova linha de produção em sua fábrica de São José dos Campos, interior de São Paulo, onde passa a produzir de imediato módulos eletrônicos para estações radiobase 2G e 3G. "Com a inauguração desta unidade estamos preparando a Ericsson para a produção futura", informou o vice-presidente global de Supply da Ericsson, Jan Wassenius, que veio ao país para a inauguração. A idéia é que na mesma unidade sejam produzidos equipamentos para HSPA, LTE (4G), Blade, Gpon e Smartedge.

"A Ericsson aposta em telecomunicações como uma das soluções para se sair da crise e, se o Brasil e região querem atrair investimentos estrangeiros têm que ter uma boa infraestrutura de telecomunicações", destacou a presidente da Ericsson no Brasil, Fatima Raimondi. Para isso, defendeu também que o governo libere mais frequência para a expansão dos serviços de 3G, especialmente os de banda larga.

A unidade de São José produz equipamentos para as várias tecnologias — mantém uma divisão que produz Erbs WCDMA para a Vivo e incrementa agora a produção em GSM. A linha de estações radiobase inclui as estações indoor, as outdoor e as móveis. Para a produção de módulos foram contratados 50 profissionais.

Raimondi contou que a idéia de produzir os módulos localmente surgiu em outubro e a decisão de investir na unidade foi tomada em dezembro, em meio a crise econômica mundial. "Em apenas três meses colocamos a nova unidade em produção, reafirmando que a empresa continua investindo no país", afirmou, lembrando que, em 2009, a Ericsson completa 85 anos de presença no país e 50 anos do Centro de Treinamento em São José dos Campos. Brasil, China e Suécia são os únicos países nos quais a Ericsson possui instalações completas, com fábrica, centro de pesquisa & desenvolvimento e centro de treinamento.

Os executivos da Ericsson destaram que, além de equipamentos, a companhia tem em seu portfólio serviços de consultoria, integração de sistemas, gerenciamento, implantação e integração de rede, e manutenção. Segundo Raimondi, a composição das receitas varia de trimestre a trimestre, mas serviços já chegou a representar 40% do faturamento em alguns trimestres (os 60% restantes são dos negócios em infraestrutura para redes fixas e móveis).
 

Anterior Algar inaugura novo data center
Próximos Meta da Ericsson é produzir 10 mil Erbs por ano