Ericsson anuncia soluções para IoT celular


A Ericsson anunciou hoje, 31, novas soluções para internet das coisas em redes móveis (IoT cellular). Os lançamentos estão subdivididos em quatro segmentos de mercado: IoT de Uso Massivo, IoT para Operações Críticas e os novos IoT em Banda Larga e IoT para Automação Industrial.

A IoT em Banda Larga adota funções de banda larga móvel para Internet das Coisas e suporta maior tráfego de dados, além de oferecer níveis de latência mais baixos que o IoT de Uso Massivo. Já a IoT para Automação Industrial deve tornar possível aplicações de automação industrial que demandem conectividade avançada.

O destaque de aplicação em IoT de Uso Massivo é a solução NB-IoT Extended Cell Range 100km, capaz de esticar o limite padrão de cobertura de 40km até 100km, utilizando apenas atualizações de software – ou seja, sem a necessidade de alterar dispositivos NB-IoT já existentes. A solução abre oportunidades para a instalação de conectividade IoT em ambientes rurais e remotos, favorecendo o agronegócio e segmentos de logística. A Ericsson implantou conexões de dados NB-IoT de até 100 km com Telstra e DISH.

No segmento de IoT em Banda Larga, as soluções incluem funcionalidades como detecção de drones, fatiamento de redes de rádio, Gerenciamento Avançado de Grupos, e aplicação de Multi-Gigabit LTE, com 10 milissegundos de latência e suporte para 2Gbps de dados. Esses lançamentos permitirão ampla variedade de novos casos de uso nos setores automotivo, de drones, de realidade aumentada e virtual, dispositivos vestíveis (advanced wearables), manufatura e utilitários inteligentes.

“Nós estamos agora traçando os próximos passos para nossos clientes e como eles podem aproveitar ao máximo seus investimentos em 4G e 5G, usando a mesma rede para endereçar casos de uso de IoT mais avançados em todas as indústrias”, disse Fredrik Jejdling, Vice Presidente Executivo e Head de Redes da Ericsson.

IoT celular em evolução

O conceito de evolução da Ericsson descreve como a IoT celular pode avançar, passando de casos de uso básicos (como rastreamento e medição inteligente que utilizam IoT de Uso Massivo) para usos mais sofisticados que se tornam possíveis com a IoT em Banda Larga (como entretenimento e informação em carros, realidade aumentada e virtual, drones e dispositivos vestíveis avançados), e, então, para IoT para Operações Críticas (como veículos autônomos) e IoT de Automação Industrial (como, por exemplo, trabalho de robótica colaborativo em manufatura).

Essa evolução gradativa tornará mais fácil para as operadoras combinar suas funções de IoT com casos de uso atuais e futuros, continuando a aprimorar as redes LTE enquanto se preparam para o 5G. Com o uso efetivo de técnicas como fatiamento de redes, provedores de serviços podem oferecer suporte aos quatro segmentos em uma rede única, o que permite a otimização de recursos e a exploração de oportunidades de receita em todas as indústrias. De acordo com o Ericsson Mobility Report, espera-se que o número de conexões de IoT celular chegue a 4.1 bilhões em 2024 – com crescimento anual de 27%. (Com assessoria de imprensa)

Anterior ISPs capturaram a maior parte do crescimento da base de banda larga em 2018
Próximos Mitigação de ataques DDoS em alta escala