Ericsson acirra a disputa da 5G no Brasil com a meta de investir R$ 1 bilhão


Presidente Jair Bolsonaro com Eduardo Ricotta, presidente da Ericsson Latam South (à esquerda), e Börje Ekholm, presidente-executivo global de Ericsson (à direita) / Foto: Marcos Corrêa / PR

A disputa no Brasil sobre o futuro da telefonia de quinta geração, a 5G, passou a ter como passagem obrigatória o Palácio do Planalto. Nesta segunda-feira, 25, foi a vez do presidente Jair Bolsonaro receber a visita de dirigentes da fabricante sueca Ericsson, que planeja investir R$ 1 bilhão para ampliar sua fábrica em São José dos Campos (SP), desenvolvendo uma nova linha de montagem exclusivamente dedicada a produtos de tecnologia 5G que serão fornecidos para toda a América Latina.

Essa movimentação da empresa  deve deve acirrar a competição no fornecimento de materiais para a nova tecnologia com a  Huawei e a Nokia. Ambas também têm unidades industriais no Estado de São Paulo e projetos de expansão continental. Há como pano de fundo da disputa as retaliações dos Estados Unidos contra a empresa asiática sob a acusação de fazer espionagem ao governo comunista da China.

“Já exportamos 40% do que é montado em nossa fábrica do Brasil para os países da América Latina e com o 5G não vai ser diferente. Essa linha de montagem vai servir Brasil e todos os países da América Latina”, disse por telefone à Agência Reuters o presidente da Ericsson Latam South,  Eduardo Ricotta, após reunião com Bolsonaro. Da reunião também participou o presidente-executivo global de Ericsson, Börje Ekholm.

A Ericsson veio ao Palácio do Planalto  no rastro deixado pela sua concorrente mundial, a chinesa Huawei, e por uma das maiores operadoras de telecomunicações do mundo, a mexicana  América Móvil, que controla a Claro. Um alto gestor do governo comentou ao Tele.Síntese que movimentação semelhante entre as principais empresas do setor se repete nos países que estão prestes a realizar o leilão da nova tecnologia. “Está sendo assim no mundo inteiro”, afirmou.

A espera do leilão

Antes da reunião, Bolsonaro disse na entrada do Palácio da Alvorada que o encontro com os dirigentes da Ericsson era uma “visita de cortesia”. E sobre a decisão do leilão da 5G, o chefe do Executivo afirmou que esse assunto está a cargo do ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Marcos Pontes.

De acordo com Ricotta, o investimento está previsto para acontecer entre 2020 e 2025.  Inicialmente, a empresa sueca gastará R$ 200 milhões para instalar a nova linha de montagem 5G em sua fábrica. O cronograma da Ericsson dependerá da realização, pela Anatel, do leilão da 5G, cujo lançamento, previsto para o segundo trimestre de 2020 deverá ficar para o final do próximo ano ou para 2021. 

Anterior 5G pode chegar a 2,6 bilhões de assinaturas em seis anos
Próximos Anatel deve ampliar fiscalização de equipamentos de telecom, recomenda ouvidor

1 Comment

  1. 26 de novembro de 2019
    Responder

    É impressionante a disputa pelo 5G. Sendo que quando lançar, já vão começar a falar em 6G porque o 5 não deu conta.

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *