Entidades da mídia criticam reforma política por permitir censura na internet


shutterstock_agsandrew_geral_abstrata_tendencia_negocios_P&D_start_up_Em nota conjunta divulgada hoje, 5, à noite, as entidades representantes dos radiodifusores, Abert; das revistas, Aner; e dos jornais, ANJ; criticam a reforma política aprovada pelo Congresso Nacional por permitir suspender conteúdo de informação e opinião publicados na internet sem autorização judicial.

O Plenário do Senado aprovou no início da tarde desta quinta-feira  o PLC 110/2017, que regulamenta a distribuição de recursos do Fundo Especial de Financiamento da Campanha (FEFC). A proposta, que havia passado na madrugada pela Câmara dos Deputados, também altera regras eleitorais e limita gastos de campanha.

A nota oficial destaca que, de acordo com o Marco Civil da Internet, a retirada de conteúdo publicado na internet só é possível com expressa autorização policial. As entidades assinalam ainda, que são contra o ódio e a divulgação de informações falsas, na internet ounão, mas que isso só pode ocorrer dentro da legalidade.

A nota finaliza afirmando que a medida aprovada pelo Congresso, no âmbito da reforma política, é inconstitucional.

Anterior STF manda Senado submeter PLC 79 ao plenário
Próximos Anatel vota contra pleito da Echostar e vai licitar novamente bandas S e Ka

1 Comment

  1. Manoel
    6 de outubro de 2017

    Ao invés da censura, deveriam ter proposto a criminalização dos Fake News que claramente tem objetivo de denegrir a imagem de outras pessoas, com penas maiores para os sites que auferem lucro com essa prática.