Encontro do Iost debate futuro das tecnologias


Os desafios para o futuro das tecnologias foram temas de debates nesta quinta-feira (25) no 2º Encontro para o Desenvolvimento Humano e Sustentável, promovido pelo Iost (Instituto Observatório Social de Telecomunicações), em Brasília. O diretor de projetos especiais do CPqD, Júlio Martorano, defende a concepção de uma visão de serviços em que a naturalidade dos relacionamentos humanos se sobreponha aos serviços de telecomunicações e internet.

Mas para se chegar a isso, diz Martorano, é preciso investir em infraestrutura de banda larga capaz de promover a universalização do acesso, serviços com mobilidade, pesquisa em inovação e em segurança. O caminho, ensina, é o planejamento.

Visão semelhante foi passada pelo blogueiro e estrategista em comunicação digital, Marcelo Vitorino, ou “O Urso”. Segundo ele, após a universalização do acesso, a preocupação terá que ser com o conteúdo da web que, na sua opinião, é composto principalmente por “abobrinhas”. “A solução é o planejamento de ações capazes de reunir as pessoas preocupadas com o desenvolvimento de bons conteúdos e que estão dispersas”, disse.

Já a diretora-geral do Instituto de Educação Superior de Brasília (Iesb), Eda Coutinho, falta o engajamento maior da academia na qualificação do conteúdo da web. “Nós ficamos para trás, não estamos falando a mesma linguagem dos alunos”, reconheceu.

Anterior Huawei dá menor lance no leilão da Telebrás
Próximos Grupo Bandeirantes faz críticas duras à abertura do mercado de TV paga