Empresas de tecnologia reagem a ato de Trump


Elas divulgam apoio a pessoas afetadas pelas regras publicadas por Trump, destinam fundos a entidades de defesa dos direitos de refugiados e estudam como a medida afetará a rotina dos funcionários originários dos países da lista.

dondald-trump-releaseDiferentes empresas de tecnologia dos Estados Unidos se colocaram contra o decreto de Donald Trump que barrou a entrada nos Estados Unidos de imigrantes de sete países. As companhias, entre as quais as três mais valiosas do país conforme a bolsa norte-americana, usaram diferentes meios para manifestar seu descontentamento e anunciaram medidas de ajuda às pessoas que foram prejudicadas.

O Google criou um fundo de US$ 4 milhões. O dinheiro será destinado a entidades de defesa dos direitos civis nos Estados Unidos e de apoio a imigrantes e refugiados. O co-fundador do Google, Sergey Brin, compareceu a protestos no aeroporto de São Francisco.

O CEO da Apple, TIM Cook, usou as mídias sociais para lembrar que sem a imigração, a Apple não existiria (Steve Jobs, fundador da companhia, era filho de imigrantes Sírios). O Uber, muito criticado nas redes sociais por ter se beneficiado do preço dinâmico de seu aplicativo usado por quem foi aos protestos, disse que teria de provisionar US$ 3 milhões para lidar com as despesas legais que o decreto de Trump acarretaria sobre a empresa. Já o concorrente Lyft avisou que doaria US$ 1 milhão para a ACLU, associação responsável pelo pedido judicial que suspendeu parcialmente o decreto e permitiu a entrada de donos de green cards presos nos aeroportos.

PUBLICIDADE

O Airbnb anunciou um plano para fornecer habitação gratuita a qualquer pessoa que se enquadre no banimento estipulado por Trump. Mark Zuckerberg, criador do Facebook, postou um texto na rede social no qual se disse preocupado e falou que a empresa estuda o tamanho do impacto sobre sua força de trabalho. Os CEOs de Microsoft,  LinkedIn, SpaceX, Mozilla, Netflix, Adobe, Twitter, Red Hat, Dropbox, e muitos outros, também publicaram posts repudiando a medida do novo governo norte-americano e alertando para o fato de que impactaria a rotina de suas empresas, com grande número de estrangeiros entre seus quadros.

Trump assinou um decreto no sábado no qual veta a entrada nos Estados Unidos de qualquer pessoa nascida em um destes sete países: Irã, Iraque, Libia, Somália, Sudão, Síria e Iêmen. A regra é válida por 90 dias. Sua publicação levou a uma onda de protestos no país, e foi alvo de críticas de aliados dos Estados Unidos, como Alemanha, ou de elogios, como de Israel. (Com agências internacionais)

Anterior Há 581 redes LTE em funcionamento no mundo
Próximos Bilionário Slim diz que Trump não traz riscos e reclama das regras de telecom no México