Embratel já incorporou divisão de mobilidade corporativa da Claro


A Embratel já está atendendo os clientes corporativos em telefonia celular da Claro. A medida é resultado da fusão entre as empresas, aprovada pela Anatel em julho. Segundo Jacinto Luis Miotto Neto, diretor de mobilidade corporativa da empresa, os clientes vindos da operadora móvel serão atendidos por equipes tanto da operadora de telefonia móvel quanto da Embratel.

“O posicionamento da América Móvel no Brasil ficou: Claro atua no mercado de consumo, com comunicação móvel e TV por satélite; A Net fica com comunicação fixa e TV por rede fixa; a Embratel fica com todo o mercado corporativo”, explica o executivo. Com os clientes, o portifólio de produtos corporativos da Claro também migrou para a Embratel.

Durante a Futurecom 2014, a Embratel lançou um serviço de Mobile Device Management (MDM), que permite o gerenciamento de conteúdo nos smartphones corporativos. Ainda para a área corporativa, a companhia iniciou a oferta de um serviço de telemetria de dados trafegados pela rede da contratante.

Data Center
Executivos da empresa também comentaram o estado da rede em construção para atender à demanda no Rio de Janeiro em 2016, para os Jogos Olímpicos. De acordo com Ney Acyr Rodrigues, diretor executivo de negócios data center, 80% do backbone está construído. Um novo data center, diretamente conectado a este backbone, está em construção e deve ficar pronto até março.

“A construção do data center foi um compromisso assumido com o patrocínio do evento”, conta. O investimento não é revelado, mas o executivo diz que deve ficar muito próximo do custo de construção da unidade paulista, que consumiu cerca de R$ 100 milhões.

No data center paulista, diz, opera atualmente com 70% da capacidade. O investimento no Rio é considerado um legado para a própria empresa. “O mercado de data center brasileiro movimenta R$ 1,8 bilhão  e em 2018 deve alcançar R$ 2,8 bilhões”, projeta, citando dados da Frost & Sullivan. Atualmente a empresa tem market share de 4% no setor.

 

 

 

Anterior Para Valente, uso pessoal de femtocélula deve entrar na pauta regulatória
Próximos STF derruba lei paulista contra cobrança de assinatura básica