EMBRAPII assina R$ 13,3 milhões em projetos de inovação em dois meses


A Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (EMBRAPII), ligada ao MCTI e ao MEC, fechou nove contratos com empresas parceiras em dois meses de atuação. O valor total dos investimentos é de R$ 13,3 milhões. Entre as unidades que fecharam projetos recentes estão os Instituto Lactec (PR), a Fundação Certi (SC), o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM) e o CPqD, ambos em São Paulo.

Assinado em janeiro, o CPqD fechou um projeto com a Padtec, que visa o desenvolvimento, suporte e evolução de tecnologias inovadoras de sistemas de comunicações ópticas WDM (Wavelength Division Multiplexing) de alta capacidade. “Trata-se de uma área que precisa estar em evolução constante para atender às novas demandas decorrentes do uso intensivo de aplicações na internet, que fazem o tráfego nas redes de comunicações aumentar cada vez mais”, afirma Tania Regina Tronco, pesquisadora da Diretoria de Gestão da Inovação do CPqD.

A Fundação Certi está desenvolvendo um sistema inteligente de comercialização para a Gnatus, empresa especializada em produtos odontológicos e com um faturamento médio anual de R$ 280 milhões. O outro projeto, em parceria com a Fanem, fabricante nacional de equipamentos médicos e laboratoriais, trabalha na pesquisa e desenvolvimento de uma nova plataforma de equipamentos da fabricante para o segmento de neonatologia

PUBLICIDADE

Os Institutos Lactec assinaram contrato na área de eletrônica embarcada com a Volvo. O projeto busca inovação para os caminhões da montadora que atuam na área agrícola. E o CNPEM está desenvolvendo pesquisas na área de Biomassa em parceria com a Brasil Kirin, importante fabricante de bebidas. “Nosso pensamento na EMBRAPII é que a competitividade da indústria brasileira depende de uma lista gigantesca de fatores, mas não há dúvida de que a capacidade inovadora pode se sobrepor a uma série deles. O único caminho para virarmos esse jogo da indústria é por meio da inserção verdadeira de novos materiais e tecnologias, e do uso de inteligência em produtos como uma nova cultura de mais conhecimento dentro da indústria”, avalia João Fernando.

Todos os projetos tiveram apoio da EMBRAPII para sua realização. O financiamento obedece a seguinte regra: a EMBRAPII pode investir até 1/3 das despesas das unidades com projetos de PD&I com empresas, enquanto o restante é dividido entre a empresa parceira e a unidade. Ao compartilhar riscos de projetos com as empresas (por meio da divisão dos custos do projeto), estimula-se o setor industrial a inovar mais e com maior intensidade tecnológica para, assim, potencializar a força competitiva das empresas tanto no mercado interno como no mercado internacional. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Apple quer que programadoras arquem com infraestrutura de seu serviço de streaming
Próximos Investigada, TIM nega envolvimento em escândalo de corrupção no Carf