Embaixador dos EUA diz que notícias sobre espionagem são incorretas


O embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Thomas Shannon, disse, nesta segunda-feira (8), que a matéria publicada pelo jornal O Globo passou uma imagem incorreta do programa norte-americano de espionagem das comunicações eletrônicas Prism. Sem, contudo, negar que houve monitoramento de mensagens e conversas telefônicas de brasileiros e de empresas estabelecidas no país.

A declaração foi feita pelo embaixador após encontro com o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo. “Estamos trabalhando com os brasileiros para responder suas perguntas, mas agradeço muito a colaboração do governo do Brasil e vamos seguir trabalhando com eles”, disse Shannon.

O embaixador disse que ainda hoje irá se encontrar com o chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, general José Elito, no Palácio do Planalto, para tratar do assunto. Ele afirmou que está contestando as preocupações do governo do Brasil com relação ao monitoramento eletrônico. “Temos uma excelente cooperação com o Brasil na área de inteligência”, concluiu.

PUBLICIDADE

O ministro Paulo Bernardo disse que o encontro foi solicitado pelo embaixador dos Estados Unidos. “Eu não vou questionar nada diretamente aos Estados Unidos, o governo já se manifestou por intermédio do Itamaraty, pedindo esclarecimento”, disse.

Bernardo disse que o Itamaraty entrará na ONU com uma representação para provocar uma discussão sobre a governança da web. “A internet precisa ter uma governança multilateral, já que hoje é exclusivamente controlada por um organismo privado controlado pelos norte-americanos, isso precisa mudar”, disse.

O ministro disse, que além da manifestação do governo dos EUA, as empresas chamadas over the top (OTT), como o Google, Facebook, Yahoo! precisam também explicar o que acontece, o ponto de vista delas. “Faz quase um mês que essas notícias estão saindo e elas não falaram nada até agora”, afirmou.

Anterior Ubuntu entra na telefonia móvel e já conta com apoio da China Unicom
Próximos Teles brasileiras negam ajuda à espionagem norte-americana e afirmam estar indignadas