Em carta a Dilma, CEO do ICANN enaltece papel do Brasil na governança da Internet


Chehadé, presidente do Icann enviou carta à Dilma Rousseff afirmando que o Brasil “assumiu a formulação da governança global da internet”, corrigindo a gafe que cometeu em evento que aprovou mudanças da IANA

Icann-e-Dilma

 

 

Depois da gafe, quando teve que se explicar muito durante a reunião do Governmental Advisory Committee (GAC) na última quarta, dia 9 de março, o então  presidente da ICANN Internet Corporation for Assigned Names and Numbers, Fadi Chehadé, enviou uma carta à presidente Dilma Rouseff enaltecendo o papel do Brasil na liderança da internet.

Nessa reunião que ocorreu em Marraquexe, Marrocos,  foi decidida  a transição de funções da IANA, parte que administra especificamente a raiz de domínios e números IP da rede. Atualmente, essas funções são controladas pela NTIA, órgão do governo norte-americano. Com a proposta, os Estados Unidos deixam de ter o controle absoluto sobre o funcionamento da internet. Em seu lugar, passará a existir uma gestão coordenada, multissetorial –defendida pelo Brasil.

Mas durante o evento, Chehadé chegou a dizer, injustamente, que o governo brasileiro seria um dos países a tentar impor um modelo para a internet liderado apenas por governos, o que provocou forte reação da delegação brasileira presente.

Na carta enviada de despedida enviada à Dilma, porém,  ele afirma  que o Brasil é o”instrumental para fazer avançar uma internet global que promove inclusão, liberdade e diversidade”.

Lembra que, desde a primeira vez em que os dois se encontraram, em 2013,  concordaram com que “o mundo teria o Brasil assumindo a liderança global, baseado em seu próprio sucesso doméstico de modelo de  governança com multistakeholders ( o CGI.br).”

E completou: “Desde então, não é exagerado ressaltar  o importante papel que o Brasil tem assumido na formulação da governança global da internet”. Göran Marby assume a presidência em maio.

 

 

Anterior Padtec desenvolve cabo submarino para o Google
Próximos Correios apertam os cintos