Eletropaulo quer cortar cabo de internet sem negociar com pequenos, reclama Abrint


Basílio Perez, presidente da Abrint, afirma que as pequenas operadoras, que também têm cabos nos postes de Eletropaulo nunca foram chamadas a conversar com a concessionária, e seus clientes não podem sofrer o corte da internet.

A Abrint foi surpreendida com o comunicado divulgado pela Eletropaulo no qual afirma que a partir desta sexta-feira, 31,  vai dar início ao corte de cabos da empresas de telecomunicações que não regularizaram suas fiações no prazo determinado pela Comissão de Resolução de Conflitos da Aneel e Anatel.  Ao todo, são 2129 postes distribuídos nas ruas de São Paulo, Osasco e Barueri. O presidente da entidade, Basílio Perez,  espera que esses cortes não atinjam os provedores de menor porte uma vez que eles não foram chamados para negociações com a empresa. Apenas as grandes operadoras participaram desses encontros e fizeram parte da resolução de conflitos.

“Pelas informações que obtivemos, nossos associados que têm conexões que passam por postes da Eletropaulo não tiveram acesso a nenhuma rodada de negociação da empresa”, ressaltou. Ele afirmou que espera bom senso da concessionária de energia elétrica e que ela não dê início aos cortes amanhã como ameaçou, correndo o risco de atingir os provedores.

“É claro que se há conexões clandestinas elas devem ser eliminadas. Mas há uma série de casos, como deslocamento de postes onde se perdem as identificações ou queda de placas devido a algum problema, que não significam que as instalações são irregulares”, disse.

Leia a íntegra da matéria em:

Eletropaulo não negociou regularização dos postes com ISPs, alerta Abrint

Anterior PIB cresce 0,2% no 2º trimestre sustentado por serviços
Próximos ZTE retoma vendas para o mercado brasileiro

1 Comment

  1. Raffael
    2 de setembro de 2018

    Resumindo, os provedores precisam ser chamados para negociar após o prazo limite expirar, ou seja, achavam que era brincadeira r agora a culpa vai para que vai cumprir a regra, esse é o problema no Brasil, não levar a sério as regras e leis.