EDP desiste de operadoras e testes de smart grid saem com infra própria


A EDP,  holding que detém investimentos no setor de energia elétrica, com ativos de geração, distribuição e comercialização, finalizou a instalação de 13,65 mil medidores inteligentes de energia elétrica em Aparecida, interior de São Paulo. Agora, chegou a fase de implantação da rede de transmissão e a companhia já decidiu seu caminho. Vai instalar uma rede Mesh ZigBee, que utiliza frequências não licenciadas e baixa potência.

O projeto consumiu R$ 10 milhões e é o primeiro teste de smart grid da EDP. Inicialmente, a proposta da companhia era fazer o piloto utilizando a rede de uma operadora mas, problemas de infraestrutura e a pouca disposição de investir na cidade do interior paulista para resolvê-los fizeram a EDP mudar de ideia e optar por uma rede própria.

A tecnologia ZigBee é semelhante a um Bluetooth, com baixo consumo e transmissão de dados por um alcance reduzido. A comunicação entre duas unidades poder ser repetida sucessivamente pelas unidades existentes na rede até atingir o destino final. Todos os pontos da rede podem funcionar como retransmissores de informação. Uma malha (Mesh) de unidades ZigBee pode realizar-se numa extensão doméstica ou industrial sem necessidade de utilizar ligações eléctricas entre elas.

O medidor inteligente propicia ainda ações de telecomando remoto por parte da empresa, o que permite monitoramento em tempo real da qualidade e continuidade do fornecimento de energia.

Além deste piloto, a holding também tem planos de instalar 5 mil medidores inteligentes nos municípios de Domingos Martins e Marechal Floriano, ambos no Espírito Santo, onde a companhia é dona da distribuidora Escelsa. O cronograma prevê início da implementação em junho e investimento de R$ 7 milhões. A tecnologia de transmissão nesse caso, será a 6LOWPAN, para que a companhia tenha diferentes experiências.

Anterior País chega a fevereiro com 272,7 milhões de celulares, com crescimento maior de pós-pagos.
Próximos Anatel autoriza reestruturação societária da Oi e vai apurar controle no final da operação. Assembleia também diz sim.