EBITDA da Oi encolhe 20,4% no 1º tri


Tele termina março com lucro líquido consolidado de R$ 766 milhões. Houve redução de gastos e elevação do Capex, conforme previsto no plano de recuperação judicial. Companhia explica redução do EBITDA em função da queda de receitas, especialmente no segmento residencial.

Designed by Freepik
Designed by Freepik

A Oi divulgou na noite desta segunda-feira, 13, os resultados do primeiro trimestre do ano. No período, a companhia registrou queda na receita, no EBITDA de rotina, retração do lucro líquido e aumento da dívida líquida.

Segundo a companhia, os resultados tiveram impacto negativo de diversos fatores. “A intensidade do cenário competitivo no residencial, a menor quantidade de dias úteis no primeiro trimestre do ano e ainda a fraca atividade econômica, com impacto principalmente no pré-pago e no segmento corporativo, são os principais fatores que justificam a queda nas receitas”, afirma no relatório.

A receita total consolidada da companhia encolheu 9,5% na comparação com o primeiro trimestre de 2018. Ao todo, a companhia registrou vendas de R$ 5,13 bilhões. A receita com serviços residenciais caiu 14,8%, para R$ 1,88 bilhão. Já a receita com mobilidade pessoal caiu 3,9%, para R$ 1,74 bilhão. No B2B, as receitas ficaram em R$ 1,42 bilhão, 8,4% a menos que um ano antes.

A queda nas receitas segue a perda de clientes. A Oi tinha ao final de março 56.623 unidades geradoras de receita (voz, banda larga, TV, empresas, orelhões), 4,4% menos na comparação ano a ano.

O EBITDA de rotina da empresa caiu 20,9%. O valor mostra o lucro antes de impostos, depreciações e amortizações, e foi de R$ 1,25 bilhão. O lucro atribuível aos acionistas foi R$ 568 milhões. “O resultado do Ebitda é explicado pela queda nas receitas, principalmente no segmento Residencial, acima da redução de custos”, explica a operadora.

A companhia investiu R$ 1,7 bilhão no período, 52,8% a mais que no mesmo trimestre do ano passado. O aumento do investimento já era esperado e acontece em linha com o plano de recuperação judicial da tele.

As despesas da companhia somaram R$ 3,88 bilhões, 5,3% inferiores a um ano atrás. O balanço do trimestre teve impacto negativo de R$ 377 milhões relativo à adequação da contabilidade ao novo padrão IRFS16. Sem esse feito, os custos operacionais teriam ficado em R$ 3,5 bilhões, ou 14,5% menor. O lucro líquido consolidado foi de R$ 766 milhões, sem as mudanças para o IRFS, teriam sido de R$ 679 milhões.

Anterior Oi tem fibra mais rápida para acessar Netflix, diz OTT
Próximos Serviços de telecomunicações recuam 1,4% em março

Sem comentários

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *