EAD, braço da transição digital, poderá ter rodízio de presidente


O novo diretor-executivo da EAD – Entidade Administradora da Digitalização – Antonio Carlos Martelleto, dirigirá a entidade que vai viabilizar o desligamento da TV analógica e a universalização da TV digital, por um ano, depois poderá ser substituído por outro executivo. Este foi o acordo firmado entre as três grandes operadoras de celular – Claro, TIM e Vivo – para a indicação do principal executivo que  vai conduzir o processo.

A decisão tomada pelas empresas de fazer rodízio do principal executivo – Martelleto foi indicado pelo grupo América Móvil, pois dirigiu por alguns anos a Embratel TV e Claro TV –  se deu porque os nomes indicados pela empresa de heahunter pediam remunerações consideradas altas demais pelas empresas, diante do orçamento restrito que têm para arcar com a migração da TV analógica para a digital.

Conforme fontes que participam do processo, esta decisão  poderá, porém, ser revertida se Martelleto se consolidar na função. Muitas são as medidas que precisam ser tomadas para viabilizar esta transição. E, no momento, a mais importante delas é definir o preço do conversor que vai ser comprado para o Bolsa Família.

A EAD ainda terá diretores administrativo-financeiro, técnico e de serviços, que serão contratados nos próximos dias. Neste caso, a contratação será permanente, para o tempo que durar a empresa.

 

. Será Antonio Carlos Martelleto, que era diretor executivo da Embratel.

Engenheiro Eletrônico, foi pesquisador no Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações da Telebras. Em 1992 passou a atuar no setor de TV paga, passando por Globosat, Unicabo e Vivax. Em 2008 foi para a Embratel onde assumiu a direção de operações de DTH e mais recentemente vinha atuando como diretor executivo de solução e entrega.

Anterior Operadoras rebatem acusação da Proteste
Próximos Oi propõe corte na assinatura básica de até 20% em 10 anos