E-commerce: preço de celulares caiu quase 12% no último ano


shutterstock_Maxx-Studio_comercio_eletronico_internet-720x320

A Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE) e o Buscapé divulgaram hoje (24) os dados de abril do índice FIPE Buscapé, que mede a inflação no e-commerce brasileiro. Os dados indicam que houve queda de preços na maioria das categorias de produtos nos últimos doze meses. A categoria com maior deflação registra foi de telefonia e celulares, em que o preço dos produtos recuou 11,9%.

Outras cinco categorias, das dez que são analisadas, também tiveram retração de preços ao consumidor, embora com ritmo menor. O preço de produtos de esporte e lazer recuou 7,59%, de fotografia, -4%, de eletrônicos, -2,1%, de informática, -1,97%, e de moda e acessórios, -1,55%.

Em média, comprar online ficou 3,92% mais barato no Brasil no último ano. Na comparação com mês anterior, de março, os preços apresentaram queda de 0,40%.

“Este é o 17º mês seguido de queda anual nos preços do comércio eletrônico e, salvo mudanças significativas no quadro econômico ou político, já que no segundo semestre temos eleições, as variações negativas deverão prevalecer no curto prazo”, diz Sandoval Martins, CEO do Buscapé.

Segundo os pesquisadores, por conta de sua composição e características, a cesta de produtos do e-commerce tende a ser deflacionária em condições ideais de mercado. A comparação é feita sempre entre os mesmos produtos, que tendem à desvalorização com a disseminação da tecnologia, lançamento de um produto superior na mesma categoria ou troca de coleção e mostruário.

O Índice de Preços FIPE Buscapé acompanha os preços de produtos oferecidos no comércio eletrônico brasileiro desde 2011. São considerados cerca de 41 mil produtos únicos, que representam aproximadamente 80% das compras por meio deste canal. O índice é calculado com base em mais de 3 milhões de preços mensais, extraídos da plataforma do Buscapé, e em pesos derivados de pesquisa anual com cerca de 3,6 milhões de e-consumidores, realizada pela Ebit, empresa referência em informações sobre o e-commerce do país. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Claro diz que roaming permanente é ruim mesmo sem diferença de imposto
Próximos Conselheiro da Anatel bate duro contra nova lei que define critérios para decisão do governo