Driesen: 5G deve estimular mudança na Lei das Antenas em SP


*Nicolas Driesen

O debate sobre a Lei das Antenas retornou com força nos últimos meses em São Paulo. Em trâmite desde 2013 na Câmara Municipal de São Paulo, o projeto para atualização da legislação municipal tem como objetivo regulamentar a instalação de antenas de telecomunicações e deverá ser votado ainda este ano, mas depende do resultado da CPI que foi implantada para discutir o tema.

Entretanto, o mundo já está vivenciando uma grande e radical mudança no cenário da conectividade nas telecomunicações com o anúncio das primeiras implementações comerciais da tecnologia 5G em países como Coreia do Sul e Uruguai. A adoção da tecnologia no Brasil tornará o desafio da atualização da infraestrutura ainda mais premente pois, ao utilizar frequências mais elevadas, exigir-se-á a instalação de um grande número de antenas para seu funcionamento perfeito, esbarrando no gargalo da Lei das Antenas.

Para enfrentar esse desafio assim que as regras mudarem, as empresas detentoras de torres no Brasil – que são afiliadas à Associação Brasileira de Infraestrutura para Telecomunicações, a Abrintel – já contam com ambiciosos planos de investimentos visando a melhoria da infraestrutura de telecomunicações em São Paulo, com o consequente incremento na qualidade do serviço e na geração direta e indireta de empregos, dentre outros benefícios, conforme destaca o estudo “São Paulo: É possível ser a capital digital da América Latina?”, feito pela Abrintel.

A pressão dos usuários em experimentar essa nova tecnologia que proporcionará uma experiência e vantagens sem precedentes, dentre elas, estão taxas de 20Gbps de download (eMBB) que permitem assistir filmes em 4K no celular, latência de até 10ms (uRLLC) que tornará os games ainda mais reais, até 1 milhão de conexões por KM2 (mMTC) e novos serviços como veículos autônomos. Todas essas vantagens ajudarão a fazer com que as cidades finalmente aprovem regras para a instalação de novas antenas.

O avanço tecnológico é realmente o principal motor que vai gerar novas experiências e oportunidade de negócios para a população. Para que se desenvolva de maneira plena, um ecossistema propício por parte das cidades é necessário. Leis de compartilhamento e agilidade na aprovação de construção de novas estações rádio base são vitais para que essas novas tecnologias se consolidem, dinamizando a economia 4.0 e tornando a sociedade digital uma realidade.

*Nicolas Driesen é Diretor de Tecnologia da Huawei do Brasil

Anterior Senado deve aderir ao Protocolo de Madrid para marcas
Próximos MPF/SC quer decodificadores próprios em pontos-extras de clientes da Claro

Sem comentários

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *