Déficit do setor eletroeletrônico cresce quase 60%


De janeiro a abril de 2006, a balança comercial de produtos eletroeletrônicos registrou déficit de US$ 2,99 bilhões, 58% acima do apurado em igual período do ano passado (US$ 1,89 bilhão). O aumento do saldo negativo foi função da expressiva ampliação das importações (+36%), que aumentaram duas vezes mais do que as exportações, de acordo …

De janeiro a abril de 2006, a balança comercial de produtos eletroeletrônicos registrou déficit de US$ 2,99 bilhões, 58% acima do apurado em igual período do ano passado (US$ 1,89 bilhão). O aumento do saldo negativo foi função da expressiva ampliação das importações (+36%), que aumentaram duas vezes mais do que as exportações, de acordo com o Departamento de Economia (Decon) da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletroeletrônica (Abinee).

Em abril deste ano, as exportações totalizaram US$ 744 milhões, o segundo maior montante exportado de produtos do setor em um único mês, abaixo apenas do mês anterior, quando as vendas externas atingiram recorde histórico mensal de US$ 855 milhões. O Decon observa que, neste ano, em virtude dos feriados, o mês de março teve 23 dias úteis e o de abril, só 18. Com isso, a exportação média diária em março foi de US$ 37 milhões, e a de abril de US$ 41 milhões (+11%).

Em relação a março, as vendas externas de abril de 2006 diminuíram 13%, com retração em todas as áreas da indústria. Na comparação com abril de 2005, o acréscimo foi de 6%.

Celulares à frente

Nos primeiros quatro meses deste ano, as exportações cresceram 18% em comparação ao mesmo período do ano anterior. Todos os segmentos registraram acréscimos, e a maior taxa de incremento foi de produtos de automação industrial (+54%).

O setor de telecom gerou divisas de US$ 1 bilhão, 19% a mais do que em igual quadrimestre do ano passado. Os telefones celulares representaram 84% desse total, ou US$ 863 milhões. Esses aparelhos permaneceram na liderança das exportações, com acréscimo de 20% em relação ao igual período de 2005.

As vendas externas de componentes elétricos e eletrônicos cresceram 9% até abril, em função do incremento de 13% dos componentes elétricos, com destaque para os itens de eletrônica embarcada (+19%)  e componentes para equipamentos industriais (+38%). Por outro lado, as exportações de componentes eletrônicos recuaram quase 2%, em decorrência, principalmente, da queda de 4% de componentes para telecomunicações.

Componentes lideram compras

Em abril último, as importações atingiram US$ 1,6 bilhão. Assim como ocorreu com as exportações, esse também foi o segundo maior montante importado de produtos eletroeletrônicos, só abaixo do resultado de março (US$ 1,7 bilhão). Em relação a março, a queda das importações foi de 11%.

Mesmo com menor número de dias úteis, em abril, as importações de bens de telecomunicações aumentaram 7%, graças às compras de terminais celulares, que passaram de US$ 39 milhões, em março, para US$ 53 milhões, em abril. Na comparação com abril de 2005, as importações cresceram 29%.

De janeiro a abril de 2006, as importações totalizaram US$ 5,8 bilhões, 36% acima do mesmo período de 2005. Todas as áreas apontaram aumento nas importações, com taxas próximas a 10%. No segmento de utilidades domésticas (+68%), a ampliação das importações contou com o acréscimo de 80% nas compras de aparelhos de som e vídeo, no total US$ 138 milhões, valor equivalente a 41% do total importado dessa área. O destaque, aqui, foram as compras de televisores LCD e plasma, em função da copa do mundo.

Computadores

No segmento de informática (+62%), destacaram-se as importações de computadores (+42%), que somaram US$ 115 milhões.

A área de componentes elétricos e eletrônicos (+34%) foi responsável pelo maior montante importado (US$ 3,7 bilhões), representando 64% do total das compras externas de bens de toda a indústria eletroeletrônica. Desse montante, US$ 3,2 bilhões corresponderam a importações de componentes eletrônicos (+41%), onde se destacaram os itens mais importados do setor: semicondutores (US$ 1 bilhão), componentes para telecomunicações (US$ 725 milhões) e componentes para informática (US$ 636 milhões).

A Abinee assinala que, dos dez produtos mais importados do setor, apenas os itens de eletrônica embarcada (-7%) não apontaram crescimento no acumulado dos quatro primeiros meses do ano em relação ao mesmo período de 2005.

(Da Redação)

Anterior Deputados começam a discutir novas normas para concessão de rádio e TV
Próximos TV digital: Argentina pode assumir papel de liderança na América do Sul